Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]




Comentários recentes

  • Eduardo

    Será que foi a Izabel?😂😂😂

  • Eduardo

    Mostra o texto pra ele ou familiar dele. Diz que é...

  • Frei Gabriel

    Por que os ratos são detestados? Já tive mais raiv...

  • Frei Gabriel

    Que gostoso ouvir essa história sobre o Cido. O pe...

  • Aureliano

    Em tempos de desonestidade e corrupção institucion...



subscrever feeds




HISTÓRIAS COM O FREIZINHO

por feldades, em 27.02.24

profeta.jpg

Hoje o Frei Gabriel está completando ‘cinquenta e um anos’. Há pouco tempo, por ocasião de um retiro do qual ele participava, familiares e amigos fomos convidados a escrever um pequeno depoimento sobre a vida desse amado frade. Não de forma explicitamente autorizada, mas consentida pelo Freizinho, aqui deixo registrado o meu modesto texto.

 

 

São muitas as histórias que poderiam ser contadas sobre o Frei Gabriel, algumas bastante pitorescas, mas farei apenas um breve relato de algo que me parece suficiente para descrevê-lo.

 

Certa vez o Frei passou uns dias de férias comigo, quando eu morava num pequeno cômodo nos fundos da casa de um tio, em Mauá.  Jovenzinho ainda, pouco mais do que um menino, o freizinho parecia homem-feito dentro daquela “batina”. Conversa vai, conversa vem, resolvemos dar uma volta na cidade e depois pegamos um trem com destino a São Paulo quando ele me disse: “Eu gosto de andar com você porque eu fico mais à vontade para usar este meu hábito. Não é sempre assim, sabia?... Há quem se incomode com isso!” Fiquei lisonjeado, surpreso até, porque eu não sou o mais simpático dos ‘Moura Lima’ – pelo menos é o que dizem.

 

Naquele trem, o Frei me deu uma aula sobre o Oriente Médio. Na verdade, eu só queria saber por que diabos palestinos cismavam de jogar pedras em soldados israelenses. Mas ele resolveu fazer uma panorâmica e começou contando a história do povo hebreu desde seus primórdios. Ousei interromper, pedindo que ele apenas respondesse à minha pergunta. Mas pra quê... O homem ficou nervoso e me deu uma enquadrada: “Bom, se você quer saber o porquê dessa briga, então tenha calma, porque esta é a minha maneira de explicar. Preciso partir do começo pra chegar ao final”.

 

E foi exatamente ali, naquele trem de passageiros entre Mauá e Santo André, que me dei conta de que o nosso Biezim havia ‘crescido em estatura e sabedoria’— e brabeza!.

 

Na verdade, daquele hábito, que é uma espécie de ‘batina franciscana’ usada pelos religiosos, sempre gostei. Tanto é que, certa feita, estando muitos de nós de férias na casa dos pais, aprontei uma traquinagem. De manhã, enquanto o Frei dormia, catei o seu hábito, que estava pendurado na porta do quarto, vesti e saí desfilando pela casa. Todos me sorriam. Uma irmã, pensando que eu fosse o religioso, me abraçou e foi logo me oferecendo café. Até mamãe se alegrou comigo e me lascou um beijo na cacunda. Nisso, eu comecei a rir e a farsa logo se desfez, deixando a irmã tão desapontada, que ela talvez quisesse me “desabraçar”; e a mamãe também parecia querer me “desbeijar”.

 

E foi assim que eu pude experimentar a singular alegria de “ser o Frei Gabriel”, ainda que por apenas uns poucos minutos, mas tempo suficiente pra saber que a vida dele, embora sacrificada, é bastante recompensada por afagos, e uma delícia de ser vivida!

 

FILIPE

Autoria e outros dados (tags, etc)


CIDO

por feldades, em 17.02.24

cido.jpg

Eu precisava falar desse senhor aí da foto, porque ele é uma pessoa muito especial.

 

Estava eu com meus cães fazendo a caminhada de rotina quando vi uma movimentação numa rua acima da minha casa. Havia na calçada uma caçamba cheia de entulhos e, curioso, estiquei os olhos para dentro da garagem quando vi o Cido, que enchia latas de concreto enquanto seu filho manobrava a betoneira.

 

Ele não sabe que foi fotografado por mim; se soubesse, com certeza não iria gostar.  E, claro que ele também não sabe que estou escrevendo isto aqui. Se souber, talvez fique bravo, e o melhor mesmo é guardar segredo.

 

Trabalhei com o Cido por uns três anos. Foi ele quem fez a casa onde moro e fez também outra casa cuja construção acompanhei da fundação ao acabamento. Nesses anos de convivência quase diária, de planejamento e ajustes, nunca tive qualquer aborrecimento com o Cido. Claro que isso não diz muita coisa, porque eu posso tê-lo aborrecido. Vai saber...

 

Durante meses, anos até, eu temia começar a obra que seria esta casa onde moro. Tenho boas razões para isso e há quem concorde comigo. Há muitos pedreiros bons, honestos e responsáveis. Contudo, muitas são  as histórias envolvendo obras inacabadas devido a desacertos. Felizmente encontrei o Cido, e com ele as coisas fluíram. Você, raro leitor, se é que o tenho por aqui, vai me entender.

 

Sabe aquele pedreiro que não pede dinheiro adiantado e só aceita pagamento de acordo com a evolução da obra? Pois esse é o Cido. Sabe aquele pedreiro que comparece ao serviço todos os dias, de segunda a sexta, entrando britanicamente às sete da manhã e saindo às quatro da tarde? Esse também é o Cido. E aquele pedreiro que está sempre bem-humorado, que não é falastrão nem gabola e não explora quem o contrata? Então, esse ainda é o Cido!

 

Tem mais. O Cido pega um serviço por completo, mas ele sempre abre a possibilidade de que outros “com mais prática”, segundo ele, possa fazer a parte de eletricidade, hidráulica, carpintaria etc. “Eu faço, mas se quiser chamar outro...”, assim ele diz e ainda indica o profissional. Gente, isso é raro! Estou velho, já trabalhei em construção civil e lidei com uma gama desses profissionais, mas o Cido é realmente diferenciado.

 

Outra particularidade do Cido: ele só trabalha de chinelos. Nunca se viu o Cido calçado de botinas, tênis ou botas durante seu labor. Ele prefere chinelas havaianas, porque “deixa os pés mais leves e livres”. Com elas ele sobe em andaimes, pisa no barro e nos entulhos, desvia de pregos, tropeça... Mas não se machuca! Só Deus mesmo pra proteger o Cido!!

 

Ah, tem uma história que o Cido me contou e acho que vale a pena registrar. Certa vez, ele estava num andaime, daqueles feitos com eucaliptos, em que se usa uma escada para subir ou descer. De repente, estando Cido lá em cima rebocando a parede, veio uma ventania danada. O andaime vergava e o Cido se segurava como podia. Nisto, a escada, que não estava amarrada, deslizou e caiu, deixando o Cido preso lá nas alturas. A rua era deserta, quase ninguém passava por lá, e a noite vinha.  Por sorte, depois de uns gritos, alguém veio socorrê-lo.

 

Bom, esse caboclo aí, trabalhador, com jeitão amineirado e meio cismado, é o Cido. O Cido é o cara!!!

 

FILIPE

Autoria e outros dados (tags, etc)


O MISTERIOSO VISITANTE NOTURNO

por feldades, em 03.02.24

IMG_3068.jpg

Em todas as manhãs eu encontrava algum vestígio da sua visita. Ora havia manga mordida e abandonada, ora era a semente de uma manga agora inteiramente devorada. Dia sim outro também, estava embaixo da mesa os sobejos do ‘visitante noturno’, que eu nunca soube quem era. Como a refeição desse ‘carinha’ era sempre ali, decidi facilitar-lhe a vida e passei a escolher as melhores frutas e deixá-las numa bandeja de isopor para seu conforto. E assim ele ficou satisfeito e eu também. Então, todas as tardes eu reabastecia o pratinho e mais à noite ele vinha para a ceia.

 

Como a safra da manga estava no fim e pouquíssimas frutas poderiam ainda ser apanhadas, eu já me preocupava com a ‘segurança alimentar’ daquela criatura. Então, decidi variar um pouco, pondo uma goiaba e uma manga. Mas, no dia seguinte, a manga havia sumido enquanto a goiaba permanecera intocada. A exigência desse meu ‘cliente’ fez aumentar a minha preocupação. Embora eu tivesse muitas mangas na geladeira, elas seriam insuficientes para atravessar a entressafra, que se estende por muitos meses.

 

A minha “patroa”, sabendo desse caso, desconfiou de ratos – eu pensava em gambás. Eu nunca soube que ratos pudessem se alimentar de mangas ou de outra fruta, mas sei que a preferência desses roedores é pelos cereais. Gambás, sim, estes, além de carnívoros, são frugívoros vorazes. “Não, não pode ser rato. É gambá ou ouriço”, intuí. 

 

Para melhor elucidação, resolvi armar uma arapuca, utilizando uma bacia, conforme se vê na foto lá em cima. Peguei duas mangas e as trespassei por um arame. Depois, com um pauzinho, sustentei a bacia e amarrei nesse suporte um barbante, ligando-o ao arame. Pensei: assim que o danadinho pegar uma das mangas, o arame vai puxar o barbante, que vai arrastar o pauzinho, e a bacia prenderá o serzinho misterioso. No dia seguinte, cheguei curioso pra ver a surpresa, mas que nada! A bacia continuava armada e as frutas incólumes.

 

Não, não terá sido gambá o visitante noturno, porque gambás são confiados demais para perceber que uma armadilha poderia surpreendê-los. Que bicho poderia ser? Claro que um rato! Ratos são espertos, muito espertos. Não à toa que, na tarde anterior a esse experimento, enquanto eu fazia “uns trem” na minha ‘oficina de carapina’, apareceram-me dois olhos assustados que, mal me avistaram, recuaram apressados e subiram velozmente o muro, desaparecendo num átimo.

 

Eu jamais mataria aquela ratazana.  Assim como não (nunca mais!) matarei cobras nem animal algum, exceto pernilongos e escorpiões com os quais não há convivência possível. Contudo, não estou disposto a alimentar ratos e nem os quero por perto. Por isso, a partir de então, nada de bandeja com frutinhas para a ceia de quem quer que seja o ‘ilustre visitante noturno’, e muito menos para esses “dentucinhos”. Daqui pra frente, a regra é: ‘mais racionalidade e menos romantismo’.

 

FILIPE

Autoria e outros dados (tags, etc)


O COZINHEIRO PORCO

por feldades, em 20.01.24

3C296B2A-B1AD-4375-AEB8-8BE21E73FD15.jpeg

Confesso que me esforcei, mas acho que não consegui fazer direito. A minha cozinha estava toda enfumaçada, com picumãs descendo sobre minha cabeça e as paredes bem encardidas. Depois de tanto procrastinar, meti a mão na tinta e dei uma boa caprichada. Mas o fogão continua fumê, esperando por um tio que prometeu usar até uma cavadeira para, segundo ele, remover a crosta de carvão. Maldade dele, porque o meu fogão não é mais fumarento e nem está tão sujo assim.

 

O meu objetivo aqui nem seria falar do fogão, que está feliz desse jeito meio sujão, mas o assunto seria as paredes, que foram pintadas após anos me implorando por um banho de tinta branca. Sobre o fogão, acho melhor deixá-lo assim mesmo, porque descobri que ‘cozinheiro bom é cozinheiro porco’ e, dessa forma, a cozinha pode ficar ‘mais ou menos, que já tá bom demais.

 

Você que me lê observe uma coisa. Se um dia for comer na casa de um amigo ou num restaurante e achar a comida deliciosa, é melhor não bisbilhotar a cozinha, porque, com raríssimas exceções, o cozinheiro é um porcão. Há um ditado com alguma lógica, mas pra lá de preconceituoso, que diz: “Quer boa comida, siga os gordos!”. Se é verdade que apenas os gordinhos conhecem o caminho da ‘boa mesa’, não posso afirmar, mas posso afiançar que alguns “porquinhos” são bons quituteiros – o que não exclui a hipótese de que haja “porcões” fazendo comidas horríveis por aí.

 

Contudo, a recíproca para essa minha tese não é verdadeira. Se “porquinhos” fazem comida boa, não significa que toda comida boa seja exclusividade de “porquinhos”. Pois sabemos por experiência e vivência que há muita gente limpinha, sobretudo mulheres, fazendo comida maravilhosa por aqui, por aí, por lá e acolá.

 

Quando falo de ‘cozinheiro porco’, eu me refiro apenas e tão somente à lida dele com pratos e panelas e também da falta de zelo com os ingredientes que está usando. Nem ouso falar daqueles que deixam a cozinha para ir ao banheiro e voltam de lá com as “mãos sequinhas”, se é que me entendem.

 

O ‘cozinheiro porco’ costuma usar muitos panos de prato, que pega limpinhos na gaveta, e os deixa espalhados pelas pias e mesas. Volta e meia ele pega um e põe no ombro e este faz “milagres” na sua mão. Com esse pano ele pega panelas quentes, enxuga conchas e escumadeiras, passa sobre a barra do fogão e, de vez em quando, remove o suor da testa.

 

A cozinha, todo sabemos, é a arena do cozinheiro, e ali ele é um gladiador bem nutrido e bem armado, que, com boas facas, resolve qualquer parada, desde a desossa de um pernil até a expulsão de um intruso.

 

E, assim, encerro a crônica que teria como mote a pintura da minha cozinha, mas me ative ao fogão e seu cozinheiro, que talvez seja eu mesmo.

 

FILIPE

 

Autoria e outros dados (tags, etc)


MUÇURANA

por feldades, em 06.01.24

PHOTO-2024-01-05-10-01-17.jpg

Numa tarde úmida e quente eu andava com meus cães pela redondeza quando, a certa altura, avistei uma pequena criatura atravessando a rua apressadamente. Era uma cobrinha que, abrasada pelo asfalto fumegante, buscava asilo junto ao matagal que margeia a rua. Os cães, curiosamente, não despertaram interesse por aquele réptil, mas eu, sim, e fiz a foto que abre esta crônica.

 

Ao retornar do passeio, pesquisei na internet e descobri que aquela “menina” é a ‘muçurana’ – uma cobra do bem que, além de não ser peçonhenta, devora todas as suas “primas”, venenosas ou não, exceto a temível coral-verdadeira.

 

O dia seguinte começou com um mormaço. Eu já havia encerrado o chimarrão, terminado as leituras e preces matinais e retomava meu trabalho com sucatas de madeira – mania que adquiri nesta minha incipiente velhice.

 

Nota: A descrição a seguir não se recomenda a almas mais sensíveis, porque há nela cenas de desmedida violência.

 

E naquela manhã plácida e morna, enquanto eu media, riscava e cortava pedaços de tábua, uma cobra passava a poucos palmos de meus pés. Ela deslizava lentamente sobre o gramado, depois alcançou uma área de ladrilho e seguia seu curso. Olhei do lado, procurando um pau para matá-la, mas não encontrei nada adequado. Como ela parecia bastante tranquila, pude me afastar dali para procurar uma “arma” mais eficaz e achei um rodo velho, que me foi de boa serventia. Quebrei aquele rodo, deixando uma parte para servir de gancho e fui à luta com o bicho.

 

Aproximei-me sorrateiro e dei uma pancada, acertando-a de raspão, fazendo com que ela se apressasse. Bati outra vez, e desta vez rompi seu abdome, mas ela não desistiu da fuga, arrastando as vísceras em seu trajeto sinuoso. Eu não tinha alternativa porque aquela era uma cobra-coral e possivelmente peçonhenta. A experiência me ensinou que, mesmo confiando no meu Anjo da Guarda, devo ser bastante cauteloso com as serpentes. A prova disso é meu pai, ele um homem de muitas rezas, que certa vez teve de ir ao hospital por ter sido “ofendido” por uma jararaca.

 

Como apenas especialistas são capazes de distinguir uma falsa-coral de uma coral-verdadeira, eu,  não sendo especialista em nada, teria que dar cabo daquela desinfeliz. E assim, bato daqui, ela foge para ali; puxo pra cá, ela foge pra lá e, de bordoada em bordoada, continuei a luta. Mas a poucos centímetros à frente dessa arena, há uma casinha com um motor e foi ali que ela entrou e se enroscou. Abri a portinhola e vi uma pequena parte de seu corpo embaixo do motor. Dei uma cutucada e ela se movimentou, levantando a cabeça a uns bons centímetros do solo. Agora ficou fácil pra mim. Com o gancho do que restara do rodo, consegui puxá-la para um lugar seguro e dei fim à sua agonia.

 

Confesso minha tristeza por tudo aquilo que fiz. Sempre que posso, evito matar bichinhos. Até as moscas, que tanto me perturbam, tento afugentar pacificamente, e só uso a raquete elétrica quando sou desafiado. Mas com as corais não se brinca porque elas são perigosíssimas e têm poucos predadores, talvez apenas o gambá e a seriema. Como os gambás são implacavelmente mortos por gente ignorante e as seriemas costumam virar guisado por caçadores inescrupulosos, as cobras-corais estão aumentando.

 

Numa noite dessas, depois da triste saga da coral, encontrei uma sua ‘parenta’ (talvez muçurana) à porta da cozinha. Agora deu muito certo para essa, que escapou do ‘cabo do rodo’ assim que notou a minha presença. Deu certo para mim também, que, embora preocupado, fui dormir feliz.

 

FILIPE

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)


SIMEÃO

por feldades, em 23.12.23

59185 (1).jpg

Esse é o meu tio Simeão, mais conhecido por Soadão – um apelido pra lá de esquisito, eu sei, mas ele é gente boa pra caramba.

 

Então, hoje o tio Simeão faz 71 anos. Idade já bem avançada, mas ocultada pelo vigor físico e a alma sapeca de quem nos faz rir até mesmo de suas trombadas com a vida.

 

Certa vez, isso aconteceu há muitos e muitos anos, mamãe se hospedara na casa dos pais e já cansada de me sustentar em suas entranhas, resolveu me despachar para a vida. E quando ela me deu à luz, o meu tio Simeão estava todo pimpão, porque naquele dia ele completava nove aninhos. E a partir de então eu passei a ser uma espécie de afilhado desse tio. Tanto é que, sempre que podia, ele me dava presentes no nosso aniversário.

 

Interessante é que, se antes essa diferença de nove anos era uma enormidade, hoje ela nos é insignificante. Talvez essa pudesse ser a prova mais convincente da relatividade do tempo, que ficaria sempre parado enquanto nós vamos passando por ele.

 

Naquele tempo, por vezes o tio me pegava em casa e me levava pra casa dele ainda na véspera do aniversário, e o tão aguardado 23 de dezembro já amanhecia festivo. O almoço, para dezenas de pessoas, começava a ser preparado desde bem cedinho pela minha avó e minhas tias e seria servido no começo da tarde, estendendo-se até quase o anoitecer. Comida simples, mas gostosa e farta, não faltando arroz, tutu acebolado, macarronada e carne de porco ou frango. À noitinha eram servidos os doces, invariavelmente arroz doce, doce de leite em pedaços, pé de moleque, doce de mamão em bolotas, mingau de milho verde etc.

 

Esses festejos aconteceram quando o tio Simeão ficou maiorzinho, podendo trabalhar fora e ganhar algum dinheiro. Pelas minhas lembranças, a nossa primeira festinha foi quando eu fiz seis ou sete anos, sendo ele ainda um rapagote. E assim, o mês de dezembro passou a marcar 'dois grandes eventos' para mim: início das férias escolares e a “minha” festa de aniversário.

 

A nossa última festinha foi quando meu tio fez 'vinte e um' e eu 'doze'. Era uma manhã sorridente, de sol forte e calor intenso, como foi hoje. Eu estava na casa dos avós maternos e aconteciam os preparativos para o almoço, que seria um pequeno banquete como sempre foi nessa data. Já havia bastante gente e ainda mais pessoas estariam por chegar. De repente minha tia Gracinha chega, interrompe tudo, e diz quase sem fôlego: “Gente, o Sebastião Lopes Morreu!” Padrinho do tio Simeão, o vovô Sebastião partiu no dia do nosso aniversário, levando consigo a alegria de uma festa que não chegou a acontecer e que nunca mais se repetiria.

 

Sou muito grato a esse tio por tudo que ele fez para alegrar minha infância. Enquanto na minha casa ninguém podia fazer festa devido às nossas dificuldades financeiras (pobreza mesmo), o meu aniversário era ansiosamente esperado por todos e ricamente festejado pelo tio, com quem nos jubilávamos.

 

Cinquenta anos nos separaram da nossa última festa, e esse tempo passou rápido. Só não passou o meu carinho pelo tio Simeão, a quem sou eternamente grato e desejo uma vida longa e feliz.

 

FILIPE

 

Autoria e outros dados (tags, etc)


ZÉ ELIAS

por feldades, em 16.12.23

ZÉ ELIAS.jpg

Esse aí é o José Elias, também conhecido por Zé Elias ou simplesmente Elias. No entanto, costumo chamá-lo de Zé, mesmo – uma maneira mais simpática de nomeá-lo.

 

Então, esse amigo está fazendo ‘sessenta anos’ hoje, neste 16 de dezembro. Mentira. Não sei a idade do Zé e esqueci o dia de seu aniversário. Sei que ele tem duas datas, mas não me lembro de nenhuma para comemorar. Por via das dúvidas, decidi que o meu amigo faz ‘sessenta anos hoje’. Tem que ser sessenta, porque que ele é uns dois anos mais novo do que eu.

 

Então, parabéns, Zé! Talvez você nem saiba que hoje é seu aniversário e menos ainda que está virando ‘sessentão’.

 

Conheci o Zé Elias há mais de quarenta anos, quando fazíamos o primeiro ano do antigo ‘segundo grau’ em Juiz de fora. O ano era 1981. Na ocasião, eu estava no exército, como soldado-recruta, e o meu amigo ainda era pouco mais do que um garoto. Naquela classe formamos um pequeno grupo de estudos com meia dúzia de colegas, dos quais tenho contato com apenas dois (de nome ‘Zé’). Os demais... nunca mais.

 

Há pessoas que se gabam de ter dezenas, centenas de amigos. Roberto Carlos era mais ambicioso: queria ter “um milhão de amigos”. No meu caso, a coisa é mais modesta. Os meus amigos podem ser enumerados usando-se apenas uma das mãos; com algum esforço, posso usar a outra mão, mas vai sobrar dedo.

 

O Zé Elias está nessa primeira contagem e eu poderia apontar inúmeros cruzamentos dos nossos caminhos. No entanto, vou me ater à descrição de apenas uma passagem, que já ilustra com boas tintas a nossa amizade.

 

Naquele longínquo início dos anos oitenta, o meu salário mal dava para pagar um quarto de pensão que eu dividia com uma figura excêntrica, que se dizia poeta. A pensão, que ficava num prédio antigo e descuidado no centro de Juiz de Fora, pertencia à dona Sebastiana. Ali moravam essa senhora, sua filhinha e uma dezena de rapazes que exerciam atividades das mais variadas: pedreiros, taxistas, camelôs, além do poeta e deste escriba.

 

Certa vez, já era noite, a campainha tocou. A dona Sebastiana atendeu e me chamou: “Tem um moço querendo falar com você.”  “Ô, dona Sebastiana, esse é o Zé Elias, meu amigo. Entra, Zé. Vou jantar daqui a pouco. Você não quer jantar comigo?” “Não obrigado. Eu só vim aqui um pouquinho e já estou de saída”.

 

Arrastei meu amigo para a cozinha, torcendo para que ele não aceitasse o convite para jantar, porque, pelas regras, eu não podia oferecer comida dos hóspedes a amigos. Você, que me lê, sabe disso, mas a polidez é uma senhora autoritária e costuma nos obrigar a certas coisas, né?...

 

Na televisão anunciava-se, para depois da novela, “Morte e Vida Severina”, que eu queria muito assistir. Então pensei: O Zé vai embora, eu pego meu rango e depois assisto a esse musical. Mas que nada... Quando o amigo viu a comida no fogão, mudou de semblante. “Aqui, eu preciso muito trocar uma ideia com você. Vamos descer, depois você volta pra sua janta!”

 

Desci com o amigo, mas ele parecia não ter nada tão especial pra falar. Saímos do prédio, atravessamos a praça, entramos numa rua, depois noutra e noutra e chegamos a uma lanchonete de nome ‘Elefantinho’. Ali o Zé já pediu algo pra beber e comida. Veio um senhor lanche, que devorei com a voracidade de um andarilho.

  

Depois, bem depois (porque sou lento nas ideias), descobri o porquê daquilo tudo. Eu já estava acostumado a comer aquele arroz quebradinho (totó) com miúdos, geralmente cabeça de frango, que a dona Sebastiana fazia com abundância para atender a si e a nós, seus hóspedes. Com ela não havia miséria. A comida era farta e até gostosa porque bem temperada. O que me incomodava era uma coisa: a cabeça do frango costumava chegar ao meu prato ainda com ‘os olhos’. Mas não com bico porque, justiça seja feita, a dona Sebastiana tinha lá os seus asseios.

  

Foi assim que descobri por que o meu amigo não quis experimentar a minha janta, resolvendo me levar para lanchar. E a partir de então, foram recorrentes as nossas idas à lanchonete nos fins de semana. No entanto, embora isso muito me agradasse, preocupava-me o fato de eu nunca poder pagar ao menos a minha parte, e o amigo não era assim tão abastado.

 

Dias atrás, enquanto pensava nesse passado, resolvi rascunhar esta crônica. Enquanto digitava, recebi notificação em uma rede social. Do outro lado estava ele, o Zé Elias. Fiquei abobalhado, porque há tempos a gente não se fala ao telefone nem trocamos mensagens. E o Zé estava curioso, querendo saber como estou, onde estou e disse que quer me visitar.

  

É, a vida é permeada de mistérios. Como a amizade!

 

FILIPE

Autoria e outros dados (tags, etc)


A GALINHA GRÁVIDA

por feldades, em 03.12.23

galinha.jpg

Essa menina é muito linda, não é mesmo?... Pois é, dias atrás eu tive a alegria de cuidar dela e de suas colegas – uma dezena de “donzelas solteironas” e de ‘de bem com a vida’. ‘Solteiras’ não por opção ou convicção, mas por imposição. Naquele quintal não há ‘varão’ e elas se contentam apenas com o canto apaixonado de um ‘vizinho seresteiro’.

 

Ah, o galo... Preciso falar desse “rapaz” também. Fico impressionado com esse sujeito e acho que o raro leitor já deve ter observado como ele é carinhoso com suas amadas. ‘Suas’, porque ele exige uma boa turminha de “esposas”.  O carinho com que um galo trata seu harém é impressionante. Não é à toa que o verbo ‘galantear’ venha de ‘galante’, que se origina de ‘galo’. Então, se um homem quer ser galante de verdade, é preciso aprender com o “galã”.

 

À galinha que abre esta crônica darei o nome de Pretinha. As galinhas, além de anônimas, são minimalistas. Elas precisam apenas de um pouco de ração ou milho, algumas folhas como salada, água e só. No mais, elas passam o dia curtindo sua curta vida, ciscando e trocando confidências com suas comadres, talvez falando sobre o ovo que mais tarde irão botar e torcendo para que este não seja tão grande.

 

Então, a Pretinha me chamou a atenção por um detalhe. Enquanto suas colegas estavam perambulando e cantarolando, esta minha amiga não saía do ninho. Na verdade, ela estava em “estado interessante”, isto é, grávida. Quando cheguei para colher os ovos, tive que revirá-la, enfiando as mãos sob sua penugem quente e fofa. Incomodada, a Pretinha reagiu com umas bicadas tão suaves que pareciam carinho. Que dó!

 

Uma galinha, quando grávida, fica nervosa, não aceita comida, não quer papo e afasta quem quer que se aproxime com resmungos e beliscões.  Quem lê isso aqui e já teve galinhas entende dessas coisas. Tanto é que antigamente, “galinha choca” era apelido de gente chata e reclamona, pelo menos lá pelas bandas em que nasci e cresci.

 

Uma galinha choca para de pôr ovos, emagrece e dá prejuízo ao dono. E para curar o choco de suas galinhas, os caboclos da minha terra usavam métodos bastante desumanos, submetendo o animalzinho a cruéis sessões de tortura. Aqui descrevo algumas maneiras usadas para curá-las.

 

De início, a galinha era arrancada do ninho, tendo suas asas amarradas uma à outra, o que a impedia de andar e a deixava prostrada. Passados dois ou três dias, caso ainda não estivesse curada, ela seria trancada embaixo de um balaio e ali permaneceria por mais dois ou três dias. Não surtindo o efeito esperado, a coisa ficaria mais séria. O balaio seria levado ao brejo e a galinha, além de trancada, teria de ficar sobre uma poça d’água até que fosse atestada a sua “cura”. Penso que isso seja coisa do passado e que as galinhas de hoje não sofram mais tais atrocidades.

 

Porque triste é o destino dos animaizinhos, domésticos ou silvestres. O ser humano deveria repensar seu papel na natureza e preservá-la, cuidando melhor de cada vivente.

 

Vida longa às galinhas, particularmente a Pretinha, e juízo aos homens – os donos do mundo.

 

FILIPE

 

Autoria e outros dados (tags, etc)


SERIAM NOVENTA E TRÊS ANOS

por feldades, em 20.11.23

foto do papai.jpeg

“Maria, Maria... Vem cá!”

 

Enquanto eu preparava o chimarrão e pensava em como começar este texto, mamãe me interrompeu. Cedo ainda, quatro e meia da manhã, voltei ao quarto. Ela insistiu: “Maria... Cadê?...” Eu disse que a Maria vinha mais tarde e que só eu estava ali. Então ela pediu ‘água e comprimido’. “Dois comprimidos!”, ordenou.

 

Ontem à noitinha passei um bom tempo ao lado dela, ouvindo suas histórias. Poucos de seus filhos conseguem decifrar aquelas frases. Eu tenho me esforçado bastante e acho que quase consigo. Naquele bate-papo, mamãe me falava “dele”. Dizia que ele estava sumido. Que “agorinha mesmo estava aqui, mas saiu e não sei pra onde foi”. Perguntei quem é. “Marido!”, respondeu de imediato. Eu completei, dizendo que ele deve ter ido a Corgo Preto, porque tem muito serviço pra fazer lá. Ela assentiu desconfiada.

 

Desde que papai partiu, mamãe veio para o centro do “palco”. Até parece ter sido essa a intenção dele. Aqui, na nossa família, penso que as atenções se voltavam mais para o pai do que para a mãe – pelo menos de minha parte foi assim e preciso me redimir desse “pecado”. Porém, saindo de cena o Velho, mamãe ganhou um protagonismo que nunca tivera. Digo isso porque, em todas as rodas de conversa, mamãe estava sempre um pouco ao lado. Eu até consigo revê-la, apoiada no batente da porta, tentando participar da prosa até que, um tempo depois e bastante desanimada, recolhia-se ao seu quarto para retomar as intermináveis ‘costuras de mão’. No entanto, muitas vezes, eu me lembro disso também, meu pai, percebendo a situação, dava um salto do sofá onde estava recostado e corria para o quarto a fim de fazer companhia à sua ‘Neguinha’.

 

Ninguém mais do que o papai compreendia o universo da mamãe. E por ser tão zeloso de sua Velhinha, seus últimos tempos ao lado dela foram bastante aflitivos. Mamãe estava cada vez mais debilitada e papai tinha pouca esperança da recuperação dela. Foi minha mãe baixar hospital que meu pai quedou-se também, e daquela vez foi tudo de imensa gravidade. Eu, estando aqui para uma visita de rotina, assinei a ficha de internamento dos dois. A impressão era de que papai ficasse poucos dias internado, mas a mamãe não voltaria pra casa. No entanto, mamãe voltou e papai “decidiu ficar”.

 

Numa conversa com irmãos, concluímos que talvez papai tivesse esperado um pouco mais para fazer a ‘passagem’ caso alcançasse o estágio de plena lucidez de que mamãe desfruta neste momento. Ela está interagindo conosco como outrora, em seus melhores dias.

 

Na longa conversa de ontem, mamãe falava do seu “Cabeça Branca”, que hoje faria aniversário. Ah, era assim que ela se referia a ele em momentos de descontração num passado já meio distante. Essa forma, um pouco jocosa e muito carinhosa, era motivo de riso na família e costumava arrancar algumas gargalhadas do Velho.

 

Nosso Velhinho não era festeiro, mas com a melhora das finanças, as tardes de seu aniversário passaram a ser festivas. Ele sempre oferecia bolo de abacaxi e refrigerante para quem aparecesse.

  

Desta vez, decidi passar o ‘vinte de novembro’ na casa do papai, ao lado da mamãe. Se na tarde de hoje não vai ter bolo nem refrigerante, também não haverá tristeza, porque o aniversariante não permitiria.

 

FILIPE

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)


A CAPTURA

por feldades, em 05.11.23

PHOTO-2023-10-29-15-34-45 (1).jpg

A imagem é soberba e sobre ela nada precisaria ser dito ou escrito. No entanto, tentarei tecer algumas linhas – não com o rigor daquelas tecidas pela amiga aí da foto, é claro.

 

Tudo isso me fez lembrar Gilberto Gil e seu belíssimo poema intitulado “Oriente”, no qual ele diz que a “aranha vive do que tece”. Da Elis Regina, outro ícone da MPB e em singular interpretação dessa música, ouve-se que a “aranha duvido que tece”. Não sei o que moveu a Elis, mas para mim essa é mais uma prova de sua genialidade. Provavelmente ela tenha ouvido a música uma única vez e já foi para o estúdio gravá-la. Para alguém que não fosse a Pimentinha, mesmo que ensaiasse por vários dias, jamais brilharia.

  

Ah, aranhas... Ainda há quem as repila, mas aprendi admirar essas tecelãs silenciosas. Seu trabalho é noturno e engenhoso, e a matéria-prima de seu engenho é uma tênue fibra que brota de seu abdome pela qual, numa espécie de bungee jump, a artesã gangorreia enquanto tece.

 

As aranhas sempre me fazem lembrar um camelô que arma sua barraca num ponto privilegiado da cidade. Ali, pacientemente é esperado o “cliente”, que não tarda a aparecer. E neste momento, estou a apenas três metros da “minha aranha”. Como sua tenda fica discretamente num canto da varanda, firmamos um “pacto de paz e de não agressão”.

 

Todas as manhãs, contudo, eu a observo furtivamente e noto que sua casa está bem arrumadinha. Caprichosa, durante a noite ela faz faxina e retoca a teia, deixando a sua rede refeita e limpa. Assim ela pode esperar sossegadamente pelo almoço e o jantar, que costumam vir com fartura.

 

As aranhas tecelãs têm outras utilidades além de reduzir o número de insetos indesejados e inspirar ‘cronistas marginais’.  Até os beija-flores precisam delas, porque essa teia é a argamassa para se fazerem ninhos seguros e resistentes. Já vi colibri visitando a ‘dona aranha’ e arrancando parte de sua ‘barraca’ sem que ela pudesse defender seu patrimônio.

 

Pior sorte teve a tanajura cuja imagem abre esta crônica. Não sei o que aconteceu ali, mas é fato que o aracnídeo, por ser “exigente à mesa”, não faz de toda presa uma refeição. Ontem mesmo encontrei uma pequena barata ferida e decidi doá-la à minha amiga. Com um papel, apanhei a moribunda e a lancei contra a teia, que a reteve. A ‘dona do barraco’ despertou de seu sono, que parecia profundo, e se aproximou desconfiada do provável petisco. Com as patas dianteiras, que ficam a “quilômetros” da boca, ela começou a examinar cuidadosamente cada detalhe da agônica baratinha, que esperneava aterrorizada diante de sua algoz. Saí de perto, deixando-as em paz (ou em guerra) e fui cuidar de meus afazeres. Quando voltei, não havia mais barata na teia e a aranha já estava recolhida aos seus aposentos. Não sei se houve acordo entre elas, mas também não acredito que a aranha tenha sido indulgente com sua “visita”.

 

Se a tanajura ou a barata escaparam, acho difícil. O certo é que neste momento a aranha parece feliz e realizada, descansando em seu casulo. Até que reapareça o intruso beija-flor!

 

FILIPE

 

Autoria e outros dados (tags, etc)




Comentários recentes

  • Eduardo

    Será que foi a Izabel?😂😂😂

  • Eduardo

    Mostra o texto pra ele ou familiar dele. Diz que é...

  • Frei Gabriel

    Por que os ratos são detestados? Já tive mais raiv...

  • Frei Gabriel

    Que gostoso ouvir essa história sobre o Cido. O pe...

  • Aureliano

    Em tempos de desonestidade e corrupção institucion...



subscrever feeds