Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]





Comentários recentes

  • feldades

    Deve ser o momento político conturbado que vivemos...

  • Anónimo

    Ainda bem que era um pesadelo!Mas uma boa parábola...

  • Lucia Bastos

    Acho que jantou muito tarde e dormiu de estômago c...

  • Maria Antônia de sousa

    Lindo relato de uma linda familia.Lá em casa foi b...

  • Anónimo

    Difícil comentar um texto tão real e tão descritiv...



subscrever feeds




MAIOS DE ANTIGAMENTE

por feldades, em 26.05.17

Como diria Machado de Assis, na minha infância já existia maio. Só que o maio da minha infância parecia ser mais doce do que os “maios” de hoje. Foi num mês de maio que minha mãe ganhou um bolo trazido da escola por meu irmão mais velho. Acostumados às broas de fubá com erva-doce, aquele presente causou alumbramento em casa, pois foi a primeira vez que, crianças, comíamos bolo. Lembro do gosto de baunilha, que eu nem sabia que era baunilha. O pratinho de papelão ficou por tempos em casa, exalando aquele aroma de “bolo das mães”. Foi naquele dia que fiquei sabendo que as mães têm um dia só seu, e que poderia ser comemorado com um bolo de baunilha.

 

Em maio havia a colheita do arroz-de-abril – uma variação dos inúmeros arrozes que existem e que cultivávamos – cuja planta de cana longa produz exuberante cacho com grãos dourados e esguios. Parece que o arroz-de-abril não era muito apreciado pelo mercado. Mas não me importam as pretensões do mercado, que exporta; importa-me o arroz, que nunca exportei.

 

No maio da minha infância tinham festas em Vilas Boas, que a dona Angelina Tibúrcio frequentava conosco. Ela, como nós, ia descalça e com sua blusinha branca, de malha – a única que tinha. O Tatão Tibúrcio, irmão da dona Angelina, com quem morava, ficava em casa. Tinha cravos nos pés, reumatismo nas “juntas” e não podia fazer longas caminhadas nem deixar a “casa sozinha”. Àquelas festas acorria muita gente para participar da novena e assistir à coroação de N. Senhora. Minha irmã mais velha foi coroadeira por algum tempo, e diversas vezes orgulhei-me de vê-la vestida de anjo. Havia, a cada ano, a liturgia de despedida da coroadeira-mor, para que as menores pudessem ascender a esse posto.

 

Após as rezas, havia o leilão. O leiloeiro era o senhor Geraldo Lima, um homem claro, do tipo “galego”, que animava a festa de dentro de um coreto. Pegava uma das muitas prendas que estavam num canto e dizia: “Este aqui tá cheiroso... Deixa eu ver direito. Ih, é um frango assado, que tá uma delícia!... E tá sem preço!!! Quem dá o lance?...” “Vinte cruzeiros, que é pra começar!”, gritava alguém.  “Vinte e um cruzeiros, que é pra minha patroa!”, respondia outro. “Vinte e dois cruzeiros, que é pro compadre não levar!”, gritava um homem que acabava de chegar. E o pregão continuava com aquele “pingue-pongue”, até que: “Trinta e cinco cruzeiros, dou lhe uma. Trinta e cinco cruzeiros! Trinta e cinco cruzeiros! Vou bater o martelo... Trinta e cinco cruzeiros... Dou-lhe duas... dou-lhe três!” E o frango vai foi arrematado por alguém lá de D. Silvério.

 

No dia da Santa, o mais esperado, havia missa e muitos fogos, especialmente uns tais “foguetes de vara”, que o seu João Firmeano soltava. Somente aquele velhinho dominava o ofício, que lhe conferia certo prestígio. Solene, o “oficial da artilharia divina” segurava firme cada artefato, acendia o estopim e liberava a vara, que subia sibilante, iluminando o céu noturno de Vilas Boas, espocando nas alturas.

 

Mais um maio se vai. Não houve bolo de baunilha, foguetes de vara nem leilão. Daqueles maios antigos, ficam-me essas doces recordações.

 

FILIPE

Autoria e outros dados (tags, etc)


CAÇA À JARARACA

por feldades, em 12.05.17

O arredio leitor não se assuste. Não farei uma defesa apaixonada de Lula neste “ensaio”, mas também não lhe farei ataques, pois de safanões ele não carece e deve estar com o lombo ardendo de tanto apanhar. Ademais, o meu político favorito nem é brasileiro, mas uruguaio. Gosto do “Pepe Mujica”. Aquele, sim, quando no exercício do mandato, manteve a simplicidade, dirigindo seu fusca e continuou morando no mato, numa chácara da família. De seu ordenado como presidente do Uruguai, noventa por cento eram doados para instituições de caridade. Se atualmente meia de dúzia de nações estivessem sob o comando de “Mujicas”, a humanidade estaria curando suas chagas e se redimindo de seus males.

 

Volto ao Lula. Essa “jararaca” é o alvo da caçada que se empreende. As miras do Judiciário, no entanto, não estão no homem, mas sobre o que ele representa. Há contra Lula mais de uma centena de ações em diversos tribunais espalhados pelo País. Enquanto não o puserem sob ferros ou o impedirem de disputar eleições, não haverá trégua. Convocado pelo “justiceiro de Curitiba”, Lula teve de explicar a origem de um apartamento e de um sítio. Ora, alguém que governou o País por oito anos ser acusado de ganhar um apartamento e um sítio?... Isso parece caso de vereador de província e em primeiro mandato. Acredito que um presidente da República, no “ofício de seu vício”, compraria apartamentos em NY, Paris, Londres... ou poços de petróleo na Arábia Saudita. Jamais um sítio com pedalinhos pra lá de brega e apartamento em Guarujá. 

 

Quem leu alguns livros de história conhece a trajetória de Getúlio Vargas e pode compreender o momento que vivemos. Aquele gaúcho, um político multifacetado e polêmico, destorceu o centro do poder, mudando para o Sul o centro de gravidade da política nacional. Mas os oligarcas paulistas e mineiros não lhe deram sossego. Aconteceu a tal Revolução Constitucionalista, logo depois a ditadura do Estado Novo, a queda do “caudilho”, o retorno do “velhinho” e, finalmente, o suicídio do “pai dos pobres”. Agora os tempos são outros, mas a hipocrisia e a desfaçatez permanecem inalteradas, pois vivemos sob o jugo de um governo ilegítimo e despótico, um parlamento venal e um judiciário corporativista e vingativo.

 

Afirmo nestas linhas, já encerrando, que Lula não é ladrão; sendo, é um bobalhão que nem se presta a “roubar decentemente”. Jânio quadros, que entrou na política pobre, morreu deixando sessenta e seis imóveis. Quantos são os imóveis de Lula? Já Paulo Maluf é um cara esperto. Mantém, segundo a Agência Estado, suspeitosos 340 milhões de dólares no exterior, embora fosse obrigado a devolver à prefeitura paulistana um pouco mais de oitenta milhões de reais. Maluf não é investigado pela Lava Jato, não é fustigado pela mídia e nem corre risco de ser preso.

 

Lula não é Getúlio. Como uma “jararaca mal matada”, ele ainda dá seus botes, mas, para gozo de seus desafetos, não disputará eleições. Com sorte, passará seus tempos finais no ostracismo; com menos sorte, na carceragem; sem sorte alguma, terá o destino de Getúlio ou de Juscelino.

 

Em 2018, aprofunda-se o caos. Ah, não vai dar e eu terei que me mudar para o Uruguai. Quero morar naquela Pasargada, que já foi a nossa “Província Cisplatina”.

 

FILIPE

Autoria e outros dados (tags, etc)




Comentários recentes

  • feldades

    Deve ser o momento político conturbado que vivemos...

  • Anónimo

    Ainda bem que era um pesadelo!Mas uma boa parábola...

  • Lucia Bastos

    Acho que jantou muito tarde e dormiu de estômago c...

  • Maria Antônia de sousa

    Lindo relato de uma linda familia.Lá em casa foi b...

  • Anónimo

    Difícil comentar um texto tão real e tão descritiv...



subscrever feeds