Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]





Comentários recentes

  • Anónimo

    Obrigado, Mano,por mais uma bela crônica sobre nos...

  • Anónimo

    Que triste pensar nas “ruínas” que já foram palco ...

  • Anónimo

    Que dizer?Esperar para crer?Crer que não adianta e...

  • Thais

    Que texto lindo!! Me emocionei com suas palavras. ...

  • Anónimo

    Só não conheci o Sr. José pessoalmente, mas sei ...






DESÂNIMO

por feldades, em 14.04.17

 

DSC00182.JPG

 

 

Desacorçoado. Assim me sinto perante a juventude, de quem Luiz Melodia disse ser ‘transviada’. Não sei se o poeta tinha razão, mas um desalento ameaça nosso futuro. Para onde descaminham essas massas?

 

Lido com jovens de classe média baixa desde “tempos imemoriais” e cada vez mais me surpreendo. Afora as exceções, das quais me nutro, muitos são tíbios nos estudos, lassos nos costumes, uns desapiedados.

 

Dia desses na sala de aula, ouvi algo apologético à pedofilia. O rapaz – que atraía para si a curiosidade e admiração de muitos colegas – ao ser repreendido, retrucou com júbilo: “Sou de menor, o que vão fazer comigo?...” “Mas você já responde por isso, pois tem quase dezoito anos!...” Tentou continuar, mas, na possibilidade de o caso ser levado adiante, aquietou-se.

 

Para muitos, as aulas são maçantes, desinteressantes, enfadonhas. Alguns pedagogos (demagogos) costumam responsabilizar os professores pela má gestão das aulas, resultando no insucesso da aprendizagem. Essa, porém, é outra questão que não quero abordar agora. Já estou suficientemente agastado e este texto não precisa de mais tempero.

 

No País, todos os anos gasta-se ao menos um bilhão de reais com merenda escolar e material didático. Mas carteiras são quebradas, livros amarfanhados, cadernos desfolhados; lápis, borrachas, réguas e canetas encontram-se aos borbotões, abandonados ou destruídos.  Na merenda, pratos de comida – com carne, que muitos nem têm em casa – são jogados no lixo. Ah, tem também as maçãs. Conheci maçã na infância, mas nas páginas de “Branca de Neve”; e na Bíblia, onde se conta a história de Eva, aquela glutona, que irritou o Criador, comendo maçã proibida e corrompendo Adão. Por culpa daqueles dois, fomos expulsos de uma “paradisíaca chácara”, e hoje somos obrigados a ralar para sobreviver. Que casalzinho trouxa! Mesmo embora associada à maldição, costumo comer maçã. De vez em quando, pego uma do chão, já mordida por um daqueles “pestinhas”, lavo, recorto a parte ferida e aproveito o restante.

 

As provas. Estas são elaboradas, impressas e aplicadas. O mano pega, não lê e devolve em branco. “Não vai fazer?”  “Ah, eu num sei, fi. Vô fazê uma coisa que num sei... Sai fora!” “Mas como não? Foi ensinado...” “ num ensina direito, fi... Suave!” “...” Numa dessas avaliações, propus algo assim: “Dona Maria foi à feira e comprou 5 peras (não escrevi maçãs, porque jogam fora!), a um real e sessenta centavos cada uma, trezentos gramas de alho, a 17 reais o quilo e pagou a compra com uma cédula de vinte reais. Determine o troco.” É conta que o ‘seu Zé da feira’, que não completou o primário, faz mentalmente e a todo instante. Mas o meu aluno do Ensino Médio, na escola há mais de dez anos, não conseguiu fazer!

 

Tem mais. Recentemente, num protesto contra o ‘temeroso’ e suas reformas, não havia meia dúzia de jovens. Além deste “ranzinza” que vos aporrinha e outros poucos, estava o Tokinho, o meu velho cãozinho, que não entendeu direito, mas gostou da passeata. Logo o Tokinho, que já nasceu aposentado, teve de sair de sua bacia e foi lutar pelos que desistiram da luta.

 

Jovens, acordai!

 

FILIPE

Autoria e outros dados (tags, etc)


3 comentários

Sem imagem de perfil

De Everton Souza a 15.04.2017 às 11:43

Felipe, essa é a geração "progressão continuada". Aí está o fruto do governo paulista. Os alunos não sabem nem fazer contas básicas, quiçá uma dissertação. Amigo, é lamentável essa realidade. Feliz é o Tokinho que nada entende disso, rsrs.
Sem imagem de perfil

De Carlos Lopes a 15.04.2017 às 21:48

Tenho me esforçado para ver os jovens de forma clara, sem conceitos e preconceitos, abrindo a mente para não ser "careta", mas infelizmente sempre caio no "desânimo"; talvez a idade bloqueia a minha visão e preciso fazer o que o Tokinho sempre faz, voltar pra bacia.
Imagem de perfil

De aureliano a 22.04.2017 às 20:23

Filipe, você tem razão em ficar desacorçoado, desanimado, desencantado. O caos se instala cada vez mais no nosso meio. Mas, eu insisto na esperança.
A experiência que fiz no Vale do Jequitinhonha, por exemplo, nesta Semana Santa, fortaleceu minha esperança. Muitos jovens bons, participativos, buscando uma resposta, um caminho, uma luz. Por isso quero reiterar que acredito na vitória da luz sobre as trevas, do bem sobre o mal.
O desperdício que se presencia, não somente com objetos escolares, mas com os alimentos, com a água etc, é uma reprodução do que se faz com o dinheiro público nas cortes parlamentares, governamentais e judiciais de nosso País.
Para mim, vivemos uma crise de valores evangélicos. Se não houver uma mudança de coração, de ideal, de sentido de vida, não haverá mudança no Brasil, no mundo. Não há coerção, cadeia, prisão ou mesmo morte que mude os rumos de nosso País.



Comentar post





Comentários recentes

  • Anónimo

    Obrigado, Mano,por mais uma bela crônica sobre nos...

  • Anónimo

    Que triste pensar nas “ruínas” que já foram palco ...

  • Anónimo

    Que dizer?Esperar para crer?Crer que não adianta e...

  • Thais

    Que texto lindo!! Me emocionei com suas palavras. ...

  • Anónimo

    Só não conheci o Sr. José pessoalmente, mas sei ...