Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]





Comentários recentes

  • feldades

    É, mano... Nossos pais abriram o caminho e só nos ...

  • feldades

    É a Cynthia? Sendo ou não sendo, obrigado pelo ca...

  • feldades

    Gostaria muito de ler textos de sua lavra sobre os...

  • feldades

    Miguel, seu elogio é para mim um rico prêmio liter...

  • Frei Gabriel

    Sim, Mamãe viveu seus últimos anos com uma doçura ...






DITADURA NUNCA MAIS

por feldades, em 06.04.24

CHARGE.png

O assunto não agrada, eu sei, mas preciso falar de coisas chatas também. E já adianto ao raro leitor: caso tenha algo mais divertido pra fazer, corra daqui porque não serei suave.

 

No último 31 de março (ou primeiro de abril) completaram-se sessenta anos do golpe militar que arrastou o nosso país para uma ditadura de duas décadas. Muitos ignoram o golpe e a consequente ditadura: uns por desconhecimento, outros por maldade.

 

No sexagésimo aniversário da infâmia, o presidente da República proibiu atos oficiais alusivos à data e por isso ele foi bastante hostilizado, sendo, inclusive, tachado de covarde. Eu também penso que a data não pode ser apagada e o golpe deve ser rememorado todos os anos, sempre no ‘primeiro de abril’. Mas Lula tem lá suas razões e não quis arrumar encrenca com os fardados.

 

Para entender o governo federal, há uma linha de raciocínio bem simples. As nossas ‘forças armadas’ são semelhantes às ‘gangues armadas’ que dominam as comunidades. Ao cidadão suburbano que vive sob o jugo desses facínoras, a prudência aconselha a não se mexer. Dessa forma, um pacto de convivência se estabelece para a sobrevivência de quem não tem armas. Acho que está explicado, né?... Eu não sei desenhar!

 

O arguto leitor pode citar as ditaduras no Chile, Argentina e Uruguai cujos agentes foram julgados e condenados, enquanto no Brasil ninguém foi punido. É verdade, mas a história nos oferece uma resposta muito simples para isso. No nosso país, a hegemonia militar tem histórico de um século e meio. O protagonismo dos generais começa na Guerra do Paraguai, passa pela deposição do imperador e atravessa a República – desde Deodoro até esse Vilas Boas.

 

Nessa trajetória golpista, veio 1964, e ali os militares tomaram o poder com a fome e a fúria de seus ancestrais. Nos vinte e um anos de ditadura, todas as vozes dissonantes foram silenciadas e muita gente foi presa, torturada ou assassinada simplesmente por divergir do sistema. A retórica golpista aponta apenas para uma reação a guerrilheiros. Houve, sim, alguma resistência armada à tirania, mas a repressão alcançou cidadãos comuns, pacíficos, que apenas contestavam o regime. Para provar isso, e antes de encerrar este texto, ficarei com dois exemplos bastante pessoais que dão conta da truculência dos “gorilas”.

 

Nos anos oitenta, quando eu prestava o serviço militar, fui ameaçado de prisão por um sargento por simplesmente eu ter dito “João Figueiredo” em referência ao presidente da República. O esbravejante praça me disse que o correto é “presidente” e que eu poderia ser preso por me referir de forma tão “desrespeitosa” ao general Figueiredo. O outro caso se deu num restaurante, quando me encontrei com um antigo colega de farda que passara a trabalhar na ‘inteligência’ do exército. Durante aquele almoço, ele disse que meu irmão, antes seminarista e depois padre em Juiz de Fora, tinha sido monitorado pelo serviço secreto.

 

Hoje, apesar de tudo, alegra-me saber que, embora ainda poderosos, ‘pela primeira vez na nossa história’ militares de alta patente são inquiridos por civis, tendo que suportar até oito horas ininterruptas de interrogatório. Alguns tergiversam, outros se recolhem ao silêncio covarde, e já houve até quem desmaiasse diante de uma ordem de prisão. Gente, isso não é pouco!

 

FILIPE

 

Autoria e outros dados (tags, etc)


3 comentários

Sem imagem de perfil

De Aureliano a 06.04.2024 às 15:20

E assim vamos relendo a história para que não se repitam histórias de dor e horror.
A paz começa a se construir dentro de cada um. Ser da paz: "Felizes os que promovem a paz".
Sem imagem de perfil

De Frei Gabriel a 10.04.2024 às 18:48

Deus nos livre de ditaduras! No Brasil e em qualquer nação do mundo!
Sem imagem de perfil

De José de Anchieta a 11.04.2024 às 11:59

Esse texto nos alerta para as situações de violência que os extremismos de quem usurpa o poder! Ditadura e tortura, nunca mais!

Comentar post





Comentários recentes

  • feldades

    É, mano... Nossos pais abriram o caminho e só nos ...

  • feldades

    É a Cynthia? Sendo ou não sendo, obrigado pelo ca...

  • feldades

    Gostaria muito de ler textos de sua lavra sobre os...

  • feldades

    Miguel, seu elogio é para mim um rico prêmio liter...

  • Frei Gabriel

    Sim, Mamãe viveu seus últimos anos com uma doçura ...