Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]





Comentários recentes

  • feldades

    Renato, essas fotos devem estar abrigadas em "nuve...

  • feldades

    Uma sobrinha resolveu o problema e minha alegria v...

  • Anónimo

    Sou eu, Renato.

  • Anónimo

    Perdi todas as fotos do meu celular, desde 2019. P...

  • Sandra

    Hoje em dia, as crianças já sabem mais de tecnolog...






ELEIÇÕES À ANTIGA

por feldades, em 06.11.22

Sempre me vem à memória uma lembrança muito antiga, que é de quando meu pai e minha mãe vestiam suas melhores roupas para votar. Curioso, eu perguntava ao papai o que é ‘votar’. Ele me explicava, dizendo que era um direito e um dever do cidadão etc. Eu, sem saber o significado do substantivo ‘cidadão, desisti também do verbo ‘votar’.

 

A eleição acontecia festivamente em Córrego Preto, um bairro rural de minha cidade. O nome oficial do logradouro é ‘Vilas Boas’, mas, por razões bastante particulares, prefiro o nome antigo.  Ou ainda, como os velhos camponeses de antanho, costumo me referir carinhosamente àquele arraial como Corgo Preto.

 

Depois de crescido, comecei a entender mais ou menos como funciona a tal “votação” com a qual papai muito se entusiasmava. Descobri que na nossa região havia dois ‘partidos’: o ‘PR’, tendo como chefe o Zezito Marta, e o ‘PSD’, de Antônio Arruda. Lá em casa, todos éramos “Zezito”; já na casa de meu avô paterno, todos eram “Antônio Arruda”. Havia certa rivalidade entre meu pai e seus familiares, contudo sem qualquer malquerença. Na verdade, essas duas siglas existiam apenas na cabeça do povo. Isso porque o regime militar extinguira todos os partidos políticos, permitindo apenas a Arena (Aliança Renovadora Nacional) – do governo; e o MDB (Movimento Democrático Brasileiro) – um partido de oposição consentida pelo regime. Na nossa cidade havia apenas a ‘Arena’, mas nas sublegendas ‘Arena-1’ e ‘Arena-2’. Quem era do ‘PSD’ votava na Arena-1; já os partidários do ‘PR’, como meu pai, votavam na Arena-2.

 

Lembro também que nas caravanas e comícios, o grito de guerra da turma do “PSD” era “Um, dois, três. É cento e dezesseis!” – uma referência à diferença de votos que houve numa eleição vitoriosa do Antônio Arruda. Mas, nas eleições seguintes, o “PR” elegeu Zezito Marta com uma vantagem de nove votos, e a turma do “Arruda” passou a denominar o inocente ‘número nove’ de “traíra”.

 

Eu gostava daquela “festança eleitoral” e torcia pelo candidato de meu pai. O irmão mais velho também se empolgava, e certa vez ele pegou um carvão e escreveu “PR” na porta do paiol de casa. Papai chegou, viu aquilo, não gostou e mandou apagar. Embora meu pai fosse daquele “partido”, ele nunca permitiu politicagem na nossa casa, como também nunca acompanhou caravanas nem frequentava comícios. Todavia, eu me lembro de estar com ele numa reunião com muita gente. Um homem de terno subiu numa caminhonete e desandou a falar, até cansar. Não entendi nada, mas, como todos aplaudiram, também bati palmas para o falastrão.

 

Noutra ocasião, fui à comemoração da vitória de alguém e havia churrasco, algo que eu conhecia só de figuras em livros.  Chegando -- eu estava com meu pai e algum irmão --, fomos para a área onde se assavam as carnes, mas lá havia muito mais gente do que comida. A custo, papai conseguiu uma vara de bambu com uns pedaços de carne espetados nela. Foi uma decepção para mim o tal ‘churrasco’, que eu pensava ser algo mais apetitoso. A carne usada deve ter sido de segunda ou de terceira.

 

Lembro com saudades daqueles tempos no meu velho Corgo Preto. Embora vivêssemos sob uma ditadura, o povo parecia ser mais civilizado. Ainda quero entender o que está acontecendo com a gente.

 

FILIPE

 

Autoria e outros dados (tags, etc)


5 comentários

Imagem de perfil

De aureliano a 06.11.2022 às 17:58

Mano, que recuperação linda de memoráveis acontecimentos, num contexto tão difícil de outrora, mas que, ainda assim, iluminam esses nossos tempos, muito embora ditos de progresso tecnológico, científico e mediático, mas em nível cada vez mais baixo de humanização.
Oxalá sejamos capazes de nos fazermos construtores de paz e de fraternidade. De trabalharmos pela comida na mesa de todos. De respeito e cuidados para com o meio ambiente. De tolerância e de perdão em meio aos desencontros e dissabores. De partilha e de redução da desigualdade social. De políticas públicas que melhorem a vida dos mais pobres, quase sempre "invisíveis", para recobrar a expressão do Papa Francisco.
Papai, de saudosa memória, pelo que me consta, nunca brigou nem infernizou ninguém por motivos político-partidários, nem obrigou seus filhos a segui-lo no voto, nem recebeu qualquer benefício de jogos politiqueiros. Um homem honesto, trabalhador, que soube respeitar e conviver com todos. No dizer do sacramentino, Ir. João Resende: "um místico ecumênico". Graças a Deus!
Imagem de perfil

De feldades a 07.11.2022 às 01:27

Seu comentário deu brilho à minha crônica, um tanto opaca. Obrigado, mano.
Perfil Facebook

De José De Anchieta Moura Lima a 07.11.2022 às 01:32

Realmente o Felipe me fez voltar ao túnel do tempo. Era isso mesmo. Só uma vez papai me mandou dentro de uma carta que N Senhora tinha lhe pedido de que não votasse nos candidatos do MDB, que eram comunistas. Mas nunca me obrigou a nada e nem me perguntou se eu tinha seguido sua ordem. Era muito respeitoso no contraditório. O contrário do que acontece hoje na corrida eleitoral.
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 07.11.2022 às 12:57

Que crônica fabulosa, Mano!
Suscita um encanto à primeira vista, e mesmo quem não conheceu Papai e aqueles tempos pode viajar pelo túnel do tempo e conviver em épocas e pessoas do passado.
Muito admirava Papai em relação à Política. Tinha suas convicções firmes mas respeitava as opiniões contrárias. Nunca impôs suas ideias e não gostava que se o fizesse. Sei de um mano que há mais de 30 anos atrás estava empolgado com o projeto da esquerda e resolveu dar pitaco nas escolhas de Papai. Por carta dizia ao progenitor que era a hora de votar em tal candidato. A resposta firme não se fez esperar: "Eu nunca disse a nenhum dos meus filhos em quem deveriam votar. Não será um mau filho a fazer isso comigo "
Esse era o Papai!
Um exemplo para esses tempos de polarização e intolerância!
Imagem de perfil

De feldades a 08.11.2022 às 14:23

Olha, eu já nem lembrava desse episódio ''pitoresco'' do Mano Véio com o nosso pai. Isso vale uma crônica!

Comentar post





Comentários recentes

  • feldades

    Renato, essas fotos devem estar abrigadas em "nuve...

  • feldades

    Uma sobrinha resolveu o problema e minha alegria v...

  • Anónimo

    Sou eu, Renato.

  • Anónimo

    Perdi todas as fotos do meu celular, desde 2019. P...

  • Sandra

    Hoje em dia, as crianças já sabem mais de tecnolog...