Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]





Comentários recentes






FILHOS REVERENTES

por feldades, em 04.06.22

Eu estava numa rodoviária quando uma conversa me chamou a atenção. Na fileira de bancos atrás da que eu me encontrava, uma senhora falava com o filho numa chamada de vídeo. Soube que é ‘chamada de vídeo’ por que, curioso, espichei os olhos para trás e vi, em tela cheia, um rapaz de cabelo raspado nas laterais e barba por fazer. A conversa era mais ou menos esta: “Filho, não fale assim comigo. Sou sua mãe!” “Tô falando besteira?... Não tô. Tô falando na moral e você vem com esse mi-mi-mi.” A conversa continuava cada vez mais áspera. A mulher falava baixo, tentando ser discreta, mas o rapaz gritava, e ela parecia não saber usar o botão do aparelho para controlar o volume. Por último, quando ela se levantou para pegar o ônibus, que acabava de chegar, ainda pude ouvir: “Vocês, meus filhos, me tratam como se eu fosse sua irmã. Acho que nem irmã, mas uma qualquer. Nunca me ouvem com atenção e sempre me dão bronca. Eu não sou criança e estou cansada de levar zanga de filhos. Nunca falei assim com minha falecida mãe, que Deus a tenha, e nem com meu pai, a quem trato com todo carinho.”

 

A cena com aquela sofrida senhora me fez pensar no momento que minha família vive. Lembrei de meus irmãos, que sempre trataram os pais com profundo respeito. É claro que o ‘respeito’ é um sentimento que se adquire na maturidade. Inicialmente, a criança obedece por hábito ou por medo. No nosso caso, tínhamos medo da cinta, do chinelo, do cabo de vassoura. Isso porque papai, quando necessário, usava o cinto; a mamãe usava o que tinha à mão. O respeito veio depois, na pós-infância. Finda a mocidade, e já beirando a velhice, aquele medo –  que se transmudara em respeito, depois admiração – tornou-se agora reverência.

 

Sobre nossa relação com o pai, ocorreu um episódio que se tornou um célebre ‘causo de família’. Antes, preciso dizer que lá em casa não fincávamos um prego na parede sem que meu pai permitisse. Digo ‘fincar prego’ porque na minha infância martelar prego na parede era um sonho de consumo de raro prazer. Com um prego e um martelo nas mãos, eu era um garoto feliz e poderoso, e as paredes tremiam à minha volta.  Contudo, o fato narrado abaixo não tem nada a ver com prego na parede. A ele.

 

Papai mantinha uma fruteira no canto da cozinha, que impedia abrir uma das portas do armário. Um irmão de ‘mente brilhante’ teve a luminosa ideia de mudar a fruteira de lugar e contou com o apoio de outro irmão. Os dois ‘gênios’ fizeram a arrumação sem que papai tomasse conhecimento. Quando o Velho viu aquilo, ficou uma fera. “Não quero que tire nada do lugar onde eu pus. Se quiser fazer mudança, faça na casa de vocês. Aqui não!” Dito isso, imediatamente a fruteira voltou para o lugar de origem e lá está sem que alguém ouse ‘incomodá-la’.

 

Bom, em casa nós somos onze irmãos, e embora possa haver alguns “fios desencapados” na relação, vivemos harmoniosamente – o que muito alegrou meu pai, que era o cimento que nos unia. Papai partiu e mamãe, com toda sua fragilidade, passou a ser o centro agregador da família. Mas um detalhe muito importante nessa nossa relação é a ‘devoção’ que temos pela irmã mais velha. Todos, do caçula ao primogênito, nunca fomos deselegantes para com essa irmã a quem consideramos uma segunda mãe.   Essa moça, que carinhosamente chamamos de Mana-Véia, conta com o nosso carinho e a ela todos somos reverentes.

 

FILIPE

Autoria e outros dados (tags, etc)


5 comentários

Sem imagem de perfil

De Andréa Piffer a 04.06.2022 às 13:04

Que lindo, família encantadora! Ainda ontem falei do meu respeito e admiração por você, para minha aluna que já foi sua aluna. Gostei da esladada da evolução: Medo, respeito, admiração e reverência. Ultimamente tenho tido mais contato com os pais dos estudantes, ontem mesmo, um atendimento me deixou em choque....pais querendo estar no topo da montanha sem iniciar a subida. Talvez, com certeza, não teve um pai como o seu para seguir de modelo. As histórias que você conta sobre o seu pai pode ser inspiração para muitos, incluindo eu.
Sem imagem de perfil

De José de Anchieta a 04.06.2022 às 13:23

Muito bem mano novo Felipe. Sempre irreverente com as nossas referências familiares. Que sejamos sempre gratos a Deus, por termos uma família, quando tantos, não a têm. Obrigado pelas suas postagens. Leio e sempre compartilho.
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 04.06.2022 às 15:44

Olá Filipe
Paz e bem!
Já me identifiquei na crônica!
Interessante isso: nós filhos desenvolvemos pontos de vista muito diferentes de nosso Papai! Religião... Política... Sociedade... Mas sempre evitamos contraria-lo. Respeito e reverência aos pais não é anular-se. É colocar o amor e a gratidão acima de nossas ideias. E Papai também nunca se impunha na vida dos filhos adultos.
A homenagem à nossa Mana Véia veio em um momento muito especial.
E a devoção à nossa Mamãe é algo sublime, algo religioso mesmo. E importante para a nossa maturidade!
Obrigado!
Freizinho
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 04.06.2022 às 20:44

Muito bem colocado maninho.
Medo respeito admiração e dedicação.
Obrigada por essa capacidade de tornar transparente nossas vivências familiares.
Sem imagem de perfil

De Maria Antônia de sousa a 05.06.2022 às 01:10

Lindo relato de uma linda familia.
Lá em casa foi bem parecido.
Deus sempre no comando .

Comentar post





Comentários recentes