Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]





Comentários recentes






FRUTA MADURA

por feldades, em 08.07.16

Cá estou outra vez na varanda de meu pai. A lamparina continua com sua chama trêmula, desconfiada.  Num papel de pizza, acompanhado do chimarrão – como na outra crônica –, rabisco minhas impressões nesta fria madrugada (doze graus, aponta o termômetro), mais tarde, transcritas para a tela. Enquanto isso, papai e mamãe continuam “embalados por Morfeu”.

 

Cheguei há poucos dias, encontrando mamãe alegrosa e com saúde; e papai também saudável e proseiro. É muita graça ver os pais octogenários, gozando saúde, felizes. Aqui em casa, isso é segredo, as idades dos onze filhos, se enfileiradas, ultrapassariam quinhentos anos de história e encontrariam Cabral com as naus do Descobrimento! É, estamos ficando todos velhinhos e continuamos agasalhados pelos pais... Ah, a mamãe tá uma gracinha, de tão fofa. Dia desses, pela manhã, liguei o aparelhinho de som de meu pai para que ela ouvisse. Pus Tonico e Tinoco cantando “Cabelo de Trança” e, sabendo que ela gosta dessa música, observei seus olhos flamejando de embevecimento.

 

Outro dia, fizemos um breve passeio na cidade e que me fez recuar quase meio século. Encontrei parentes próximos de uma das pessoas mais admiráveis que conheci e com quem convivi: Tatão Tibúrcio. Vi sua sobrinha Nina, com o sorriso do Natalino Tibúrcio, e vi a Terezinha, mãe da Nina. De toda a família Tibúrcio, o Natalino foi o único que deixou descendência. Angelina e Tatão morreram solteiros; Zé Tibúrcio, que se casara com Evangelina, não teve prole. Mas o Natalino foi um autêntico “Abraão”: teve mais de uma dezena de pivetes. Foi muito penoso para ele, com ofício de sapateiro, sustentar aquele povaréu. Lembro que papai costumava visitá-lo e aproveitava para lhe cortar o cabelo. Certa vez, papai chegou em casa e disse: “Fui no Natalino e cortei seu cabelo. Mas seu cabelo tava parecendo um guarda-chuva, de tão grande, coitado...”

 

Estava com saudade do sorriso, da gargalhada da Terezinha do Natalino. Uma mulher que experimentou todo infortúnio que a vida ousa oferecer: doença do marido, miséria, a morte de filhos recém-nascidos, e a morte do Zé. Este, seu primogênito, morreu jovem e era quem sustentava a família como metalúrgico em Volta Redonda. Mas a Terezinha sempre deu risada de tudo isso e continua a gargalhar – agora, impossibilitada de andar.

 

O “Zé do Natalino”, como era conhecido, me fez um grande favor quando comecei a frequentar o grupo escolar. Eu era novinho, pequeno, e os moleques gostavam de me surrar. Então, ele me disse: “Olha, ninguém mais vai de bater, pois não vou deixar”. Na primeira investida, enxotou uns três, porque o Zé era valente mesmo. A partir daí, nunca mais apanhei. Obrigado, Zé, que Deus o recompense com o Paraíso!

 

Esta visita à minha terra tem sabor de fruta madura apanhada no pé, molhada pelo orvalho da manhã. Eu diria que tem gosto da pouco conhecida e saborosa frutinha de grande-galho, que devorávamos numa infância igualmente doce.

 

FILIPE

Autoria e outros dados (tags, etc)


25 comentários

Imagem de perfil

De Chic'Ana a 08.07.2016 às 08:58

Muito bom, gostei de ler!
Beijinhos
Imagem de perfil

De feldades a 17.07.2016 às 00:18

De Portugal?! Obrigado e beijinhos também!
Sem imagem de perfil

De Wanda Elizabeth de Lima a 08.07.2016 às 12:06

Parabéns Filipe.
Sabia que você era exper em Matemática e não em Língua portuguesa.
Gostei muito da crônica.
Imagem de perfil

De feldades a 09.07.2016 às 22:06

Wanda, não sou bom em nada, mas apenas 'esforçadinho'!
Abraços.
Sem imagem de perfil

De Maria Lucia a 08.07.2016 às 13:20

Muito bom, gostoso de ler, doce como fruta madura!!
Imagem de perfil

De feldades a 17.07.2016 às 00:19

Precisa conhecer a frutinha de grande-galho!
Abraços.
Sem imagem de perfil

De Everton Souza a 09.07.2016 às 12:11

Caro amigo, é bom matar a saudade da nossa querida terra e dos nossos estimados familiares, não é? Imagino como deve estar sendo bom para você este retiro.
Uma pergunta: ao aposentar-se, você não tem planos de voltar para Minas?
Abração!
Imagem de perfil

De feldades a 09.07.2016 às 22:00

Ah, Everton, descobri que tenho seis longos anos pela frente! Não posso ter planos diferentes daqueles que você conhece: "planos de ensino, de curso, de aula..."; tá feia a coisa!
Abraços.
Sem imagem de perfil

De Rosiléia a 10.07.2016 às 03:06

É meu cunhado... Fico muito feliz por nossos velhos ( mais de vcs do que meus, né), pois entre ano e sai abi e semore estão do mesmo jeito. Isso é uma dádiva de Deus para nós.
Deus seja louvado!!!!
Imagem de perfil

De feldades a 17.07.2016 às 00:20

Tão nossos quanto seus, rosiléia.
Abraços.
Sem imagem de perfil

De Rosileia Lima a 10.07.2016 às 03:08

É meu cunhado... Fico muito feliz por nossos velhos ( mais de vcs do que meus, né), pois entre ano e sai ano e sempre estão do mesmo jeito. Isso é uma dádiva de Deus para nós.
Deus seja louvado!!!!

Publicado novamente, pois o corretor me envergonhou rsrsrs..
Imagem de perfil

De feldades a 17.07.2016 às 00:28

Deixa assim mesmo.
Quem nunca comeu arroz 'queimadinho'?...
Sem imagem de perfil

De frei Gabriel a 10.07.2016 às 20:30

Olá mano!
Santa inveja! Alegro-me pela sua alegria que é de todos nós: encontrar os velhos pais com saúde e alegria, na paz espiritual de suas vidas pautadas em Deus!
Mas um susto vem, quando essas idades dos filhos ameaçam os 500 anos somados. Conceda-nos o bom Deus chegar a esta idade avançada dos nossos amados velhinhos, com o seu mesmos vigor físico, disposição para amar, sem ranzinismos. Sabemos, porém, que como vivemos, assim envelheceremos... e morreremos. E é morrendo que se vive para a vida eterna.
Você nos recordou a doce frutinha do grande-galho! Será que além dos filhos do Zé Lopes, tem mais gente que a apreciou, do jeito que vc magistralmente descreveu, orvalhadas e tão apetitosas?!
Abraços, meu mano, e que as musas da literatura e da poesia estejam sempre lhe soprando doces recordações e belas interpretações da vida!
Imagem de perfil

De feldades a 17.07.2016 às 00:21

As musas lhe são ainda mais generosas, Frei!
Abraços.
Sem imagem de perfil

De CECILIA a 10.07.2016 às 21:09


Caro Felipe, adorei ''Fruta madura". Também me trouxe boas lembranças da Teresa do Natalino.Quando for a Minas , quero vê-la.
Imagem de perfil

De feldades a 17.07.2016 às 00:23

Dona Cecília, ela mora no Taquaruçu de Guiricema e é conhecida como Tereza Benzedeira.
Abraços.
Sem imagem de perfil

De Patrícia a 12.07.2016 às 04:14

A cada vizita a Minas; uma história diferente. Obrigada titio como se diz recordar é viver!
Imagem de perfil

De feldades a 17.07.2016 às 00:24

Vamos recordando, Patrícia.
Abraços.
Sem imagem de perfil

De Carlos Lopes a 14.07.2016 às 21:26

Quando você escreve de coração consegue ultrapassar barreiras na minha imaginação; não consigo palavras, se tentasse escrever ninguém conseguiria entender...
Imagem de perfil

De feldades a 17.07.2016 às 00:26

Você tem o dom, Carlos e comece a publicar...
Abraços.

Comentar post


Pág. 1/2





Comentários recentes