Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]





Comentários recentes

  • feldades

    Deve ser o momento político conturbado que vivemos...

  • Anónimo

    Ainda bem que era um pesadelo!Mas uma boa parábola...

  • Lucia Bastos

    Acho que jantou muito tarde e dormiu de estômago c...

  • Maria Antônia de sousa

    Lindo relato de uma linda familia.Lá em casa foi b...

  • Anónimo

    Difícil comentar um texto tão real e tão descritiv...






INTROSPECÇÃO

por feldades, em 23.12.16

Estamos no natalino mês de dezembro, que já se vai com seu Natal que se tornou tão banal, quase fatal. Com seus abraços tão falsos!

 

Então é preciso abrir para balanço – e não fechar, como se fecham os armazéns para arranjos contábeis. É preciso avaliar o ano que finda, num improvável retrospecto.

 

O ano foi duro, pouco frutuoso. Se não houve tantos frutos, houve flores e folhas e raízes, que adentram o solo pouco fértil de uma pedregosa existência.

 

Neste ano, houve tropeços nas relações. E rupturas. Mas novos vínculos suturam velhas chagas.

 

A vida costuma ser um deserto sem oásis nem bordas. Vagando-se nessas areias, perdemo-nos em miragens – o enganador efeito óptico da luz que se refrata e confunde.

  

As relações humanas, familiares ou não, têm muito desse deserto e de suas miragens. Tem a aridez da areia movediça, que traga, que naufraga.

 

Quantas máscaras... Por que mascarar-se?... Melhor mostrar a pele ferida, impiedosamente maculada, mas nua.

 

Contudo, é imperioso pôr a máscara, esconder-se e se apresentar ridiculamente maldisfarçado.  Por que assim, de forma tão mesquinha? Qual o porquê dessa vileza?

 

Ah, o ano foi duro! Muitos foram os desafios e poucos os resultados. Mas houve tentativa de acertar, de errar por um caminho... perder-se nele.

 

Porque há sempre um muro à frente. Como transpor o muro? Não se pula o muro. Não se derruba o muro. O muro é duro!

 

Houve vontade de sair, de viajar... divagar bem devagar. Mas a vontade foi acabando, como acabam os sonhos após longo sono.

 

Há de se abrir para balanço um ano que parece não ter acontecido. E que finda, deixando uma parte incrustada na memória; a outra parte é volátil, como voláteis são nossos muitos planos.   

 

Se nascemos e finamos solitariamente e a vida é um contínuo flerte com a solidão, dois mil e dezesseis valeu pelo que dele vivi tão só.

 

Mas dois mil e dezessete é apenas uma promessa. Então, que seja promissor o ano que se anuncia!

 

FILIPE

Autoria e outros dados (tags, etc)


8 comentários

Sem imagem de perfil

De Anónimo a 23.12.2016 às 09:53

Filho,já começou errando no título. Depois só viu um ano enfadonho com nada acontecesse de bom.
Eu pelo contrário só vejo coisas boas. Vejo tudo de bom que Deus nos brindou neste ano.
Não preocupo com as coisas danosas que acontece vindo da parte humana. Creio na providência divina e isto me basta.
Por isso é que eu digo: "DEUS SEJA LOUVADO"!
Imagem de perfil

De feldades a 23.12.2016 às 11:00

Sou mesmo um incorrigível, né, meu pai?
Mas vou tentando acertar...
Sem imagem de perfil

De Lucia Bastos a 23.12.2016 às 16:18

Adorei, descreves uma verdade nua e crua sobre ano que se finda, mas mais bonita ainda essa relação gostosa entre pai e filho, aberta, sincera! <3
Sem imagem de perfil

De frei Gabriel a 24.12.2016 às 00:58

Olá meu Mano!
Que bela poesia compuseste, uma prosa poética, versos que nada têm de prosaico!
Fizeste uma leitura do ano, carregado de idas e vindas, de lutas e labutas, de acertos e descompassos, de frustrações várias!
É na verdade uma leitura amarga, e nosso querido progenitor consegue ver muito mais coisas belas à nossa volta, do que nós. Talvez porque mais condimentado no sal da sabedoria divina, que leva a ver até nas desgraças uma oportunidade para crescer!
Admiro o teu jeito de falar da vida, a lavra literária que tens encanta, às vezes o teor espanta, mas sempre se trata de um modo próprio de observar a vida e tirar conclusões.
Deus permita que possamos unir, com o tempo, o teu estilo observador e literato com a têmpera contemplativa de um ancião de 86 anos, que mesmo em meio a agruras diz: Deus seja louvado!
E hoje, dia de teu natalício, parabéns! Deus seja louvado por tu existires tão único e tão precioso!
Imagem de perfil

De aureliano a 24.12.2016 às 10:31

Filipe,
o poema que você escreve retrata bem a sua alma marcada pelos acontecimentos. Cada um vê o mundo a partir de seu lugar. Cada um é afetado de maneira diversa pela realidade. O interior do ser humano é marcado pela sua própria história. Um fato que me desconcerta, que me tira do prumo, pode não atingir em nada meu vizinho. As sensibilidades, as histórias vividas, os afetos, os temperamentos e personalidades são peculiares a cada um. A diferença entre nós pode gerar morte como pode gerar vida. O desrespeito às diferenças na sociedade tem gerado muita dor e morte. A grande beleza da vida consiste em perceber na diferença a possibilidade de crescer, de enxergar o mundo com nova lente, com a lente de Deus-Amor. É o desafio cotidiano.

Sem imagem de perfil

De Anónimo a 24.12.2016 às 11:37

"Neste ano, houve tropeços nas relações. E rupturas. Mas novos vínculos suturam velhas chagas."
Esse é o melhor verso, porque mesmo com tudo aquilo que aconteceu neste ano que finda, a esperança de que tudo vai ficar para traz, as feridas vão cicatrizar e um novo horizonte há de clarear...
Parabéns tio pelo seu aniversário e pelo belo texto...
Sem imagem de perfil

De Carlos Lopes a 24.12.2016 às 20:08

Um belo poema, a expressão d'alma: sente, procura, entristece e o lamento transborda em poesia...é preciso continuar e acreditar!
Sem imagem de perfil

De Everton Souza a 26.12.2016 às 10:36

Caro amigo, as lojas fecham para balanço, como vc disse, nós devemos nos abrir interiormente para reflexões e eventuais mudanças. Esse movimento dialético deve nos acompanhar semanalmente, não só no acaso marcado pelo calendário.
Abração!

Comentar post





Comentários recentes

  • feldades

    Deve ser o momento político conturbado que vivemos...

  • Anónimo

    Ainda bem que era um pesadelo!Mas uma boa parábola...

  • Lucia Bastos

    Acho que jantou muito tarde e dormiu de estômago c...

  • Maria Antônia de sousa

    Lindo relato de uma linda familia.Lá em casa foi b...

  • Anónimo

    Difícil comentar um texto tão real e tão descritiv...