Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]





Comentários recentes

  • Renato Pires

    É impressionante como os mais velhos desenvolvera...

  • Anónimo

    Felipe eu o admiro muito, todos os contos que escr...

  • feldades

    Você me vê com seus 'olhos de bondade'. Obrigado p...

  • feldades

    Este é um singelo tributo a ele. Textos melhores f...

  • Anónimo

    Mais uma vez, Mano, você nos brinda com um esmerad...






INTROSPECÇÃO

por feldades, em 23.12.16

Estamos no natalino mês de dezembro, que já se vai com seu Natal que se tornou tão banal, quase fatal. Com seus abraços tão falsos!

 

Então é preciso abrir para balanço – e não fechar, como se fecham os armazéns para arranjos contábeis. É preciso avaliar o ano que finda, num improvável retrospecto.

 

O ano foi duro, pouco frutuoso. Se não houve tantos frutos, houve flores e folhas e raízes, que adentram o solo pouco fértil de uma pedregosa existência.

 

Neste ano, houve tropeços nas relações. E rupturas. Mas novos vínculos suturam velhas chagas.

 

A vida costuma ser um deserto sem oásis nem bordas. Vagando-se nessas areias, perdemo-nos em miragens – o enganador efeito óptico da luz que se refrata e confunde.

  

As relações humanas, familiares ou não, têm muito desse deserto e de suas miragens. Tem a aridez da areia movediça, que traga, que naufraga.

 

Quantas máscaras... Por que mascarar-se?... Melhor mostrar a pele ferida, impiedosamente maculada, mas nua.

 

Contudo, é imperioso pôr a máscara, esconder-se e se apresentar ridiculamente maldisfarçado.  Por que assim, de forma tão mesquinha? Qual o porquê dessa vileza?

 

Ah, o ano foi duro! Muitos foram os desafios e poucos os resultados. Mas houve tentativa de acertar, de errar por um caminho... perder-se nele.

 

Porque há sempre um muro à frente. Como transpor o muro? Não se pula o muro. Não se derruba o muro. O muro é duro!

 

Houve vontade de sair, de viajar... divagar bem devagar. Mas a vontade foi acabando, como acabam os sonhos após longo sono.

 

Há de se abrir para balanço um ano que parece não ter acontecido. E que finda, deixando uma parte incrustada na memória; a outra parte é volátil, como voláteis são nossos muitos planos.   

 

Se nascemos e finamos solitariamente e a vida é um contínuo flerte com a solidão, dois mil e dezesseis valeu pelo que dele vivi tão só.

 

Mas dois mil e dezessete é apenas uma promessa. Então, que seja promissor o ano que se anuncia!

 

FILIPE

Autoria e outros dados (tags, etc)


8 comentários

Sem imagem de perfil

De frei Gabriel a 24.12.2016 às 00:58

Olá meu Mano!
Que bela poesia compuseste, uma prosa poética, versos que nada têm de prosaico!
Fizeste uma leitura do ano, carregado de idas e vindas, de lutas e labutas, de acertos e descompassos, de frustrações várias!
É na verdade uma leitura amarga, e nosso querido progenitor consegue ver muito mais coisas belas à nossa volta, do que nós. Talvez porque mais condimentado no sal da sabedoria divina, que leva a ver até nas desgraças uma oportunidade para crescer!
Admiro o teu jeito de falar da vida, a lavra literária que tens encanta, às vezes o teor espanta, mas sempre se trata de um modo próprio de observar a vida e tirar conclusões.
Deus permita que possamos unir, com o tempo, o teu estilo observador e literato com a têmpera contemplativa de um ancião de 86 anos, que mesmo em meio a agruras diz: Deus seja louvado!
E hoje, dia de teu natalício, parabéns! Deus seja louvado por tu existires tão único e tão precioso!

Comentar post





Comentários recentes

  • Renato Pires

    É impressionante como os mais velhos desenvolvera...

  • Anónimo

    Felipe eu o admiro muito, todos os contos que escr...

  • feldades

    Você me vê com seus 'olhos de bondade'. Obrigado p...

  • feldades

    Este é um singelo tributo a ele. Textos melhores f...

  • Anónimo

    Mais uma vez, Mano, você nos brinda com um esmerad...