Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]





Comentários recentes






MENTE BAGUNÇADA

por feldades, em 25.09.22

mesa.jpeg

“Aquele que não conhece sua história está condenado a repeti-la”

 

Deixo para comentar a frase acima no final do texto, porque agora estou muito ocupado com minha mesa tão bagunçada, como confuso também estão meus miolos e seus parcos neurônios entrelaçados e preguiçosos. Tão preguiçosos e irresponsáveis como este computador, que fez desaparecer o texto digitado de manhã. Ele, que sempre salvou automaticamente, dessa vez me traiu.

 

Faz tempos que estou aguardando minha sofrida aposentadoria no conforto do lar, onde passo o tempo lendo, cuidando de meus vira-latas, fazendo pequenos serviços com madeira. Também resolvi fazer uma horta onde plantei alguns pezinhos de almeirão. Só almeirão, porque nada mais consigo produzir. A couve, o jacu devora; alface não prospera; cebolinha dá pulgão; rúcula tem ferrugem branca. Mas, para quem não tem muito jeito de hortelão, que pelo menos plante e colha almeirão. E é isso que faço com relativo êxito.

 

E eis que o tempo passou, minha aposentadoria não veio e terei que sair da sombra para voltar ao sol escaldante da sala de aula. E faz dias que estou tentando preparar umas aulas sem saber ao certo o que ensinar e sem ter certeza de que ainda tenho algo a oferecer. Um turbilhão de coisas passa pela minha cabeça. Minhas noites mal dormidas são invadidas pelos fantasmas das lousas, apostilas, planilhas, atividades, relatórios e as intermináveis reuniões. E tem mais. Há as enfadonhas palestras de uns tais especialistas, uma gente pernóstica que nunca deu aulas ou fugiu da sala de aula ou de lá foi expulsa. São seres patéticos, com fumos intelectuais, que usam neologismos à larga, mas tropeçam no próprio vocabulário.

 

Agora, voltando à frase que abre a crônica, preciso dizer algo sobre ela. Quando eu fazia o antigo segundo grau, hoje ensino médio, um professor nos apresentou a frase e atribuiu a Hegel sua autoria. Mas parece que o autor não é Hegel, mas Burke. Para mim, no entanto, não importa quem a fez nascer, mas sei que ela nos faz crescer. Manuscrevi essa ‘máxima’ numa cartolina e fixei na parede de meu quarto para que eu nunca perdesse de vista tal advertência. E é exatamente sobre isso que pretendo falar.

 

Se os professores tivessem mais autonomia didática e fossem estimulados, e até mesmo obrigados, a ler os clássicos, estaríamos bem melhor. Um professor precisa ler cotidianamente artigos e livros sobre artes, ciências, literatura, humanidades etc. e não baboseiras pedagógicas. Todos precisamos conhecer ao menos a história recente de nosso país. Precisamos saber o que foram as ditaduras e o que faziam seus agentes. Mas parece que há uma conspiração oficial contra o desenvolvimento do pensamento crítico. O resultado está aí. Gente supostamente esclarecida acreditando que a terra é plana, que o STF é comunista e que os militares serão os nossos redentores.

 

Bom, sei que sem conhecimento não há salvação, mas o que eu preciso mesmo é organizar a minha mesa, as minhas ideias e preparar as minhas aulas.

 

FILIPE

Autoria e outros dados (tags, etc)


3 comentários

Sem imagem de perfil

De Andréa Piffer a 25.09.2022 às 11:37

Belo texto, muito bem escrito e de agradável leitura; tão profundo e reflexivo como seus pensamentos. Compadeço-me com sua aflição e me solidarizo. Você não merecia esse dissabor após anos de total dedicação aos alunos. Mas, se eu pudesse oferecer consolo, lhe diria humildemente: sossegue o seu coração, você tem muito para oferecer. Sugiro que vá o primeiro dia sem preparar nada, apenas ouça os alunos e procure saber como estão e deixe fluir a conversa.
Imagem de perfil

De feldades a 26.09.2022 às 01:08

Sugestão prontamente aceita, Andréa. Agradeço a solidariedade e obrigado pela amizade.
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 03.10.2022 às 15:19

Santo Deus!
E você teve que voltar para a sala de aula, mesmo!
Mas, tomara que seja por pouco tempo.
Os professores merecem descansar, depois de anos desgastantes com alunos, não somente cada vez menos interessados, mas sobretudo, mais desrespeitosos.
Coragem, Mano!
Boa retomada, e que logo venha a merecida aposentadoria.
Freizinho

Comentar post





Comentários recentes