Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]





Comentários recentes






MISTÉRIOS

por feldades, em 30.03.18

DSC00889.JPG

 

A imagem que ilustra esta crônica pareceu-me intrigante. Antes que o leitor escorregue distraidamente pela página, sugiro que volte os olhos para a foto e tente decifrá-la. O que está ali?... Após examiná-la, continue a leitura. Ao final deste “tobogã”, outra imagem o aguarda para fechamento do texto.

 

Confesso ao ‘ausente leitor’ minha dificuldade para acreditar em milagres, que acontecem, mas sem estardalhaços. A tecnologia, por exemplo, é um milagre do engenho humano – apesar da horrorosa ‘tomada de três pinos’! A tríade (vida, morte e ressurreição) é o mais sublime dos milagres – obra-prima do Criador. Mas há outros ‘sinais’ que nos inquietam cotidianamente.

 

A história é a seguinte. Uma amiga, freira por mais de trinta anos e a quem chamo carinhosamente de ‘Irmãzinha’, deixou o convento. Houve desentendimentos com a “chefia”, dos quais não tenho ciência, mas dou “carradas de razão” à amiga, que não se ocupa de outra coisa senão rezar e fazer o bem. Eis uma autêntica ‘irmã de caridade’, conforme nomeavam-se as freiras nos tempos antigos.

 

Essa amiga, ao sair do mosteiro e sob o risco de virar uma sem-teto, foi acolhida pela Diocese. Ajeitaram para ela uma casinha ao lado de uma capela abandonada, da qual tornou-se zeladora. Mas, quando da entronização do Santíssimo e não havendo aquela ‘vigilante’ lâmpada conforme manda a tradição, a religiosa acendeu uma ‘vela de sete dias’, que se tornou a ‘sentinela’ do Altíssimo por um tempo. A vela derreteu, transbordou e formou no mármore a imagem que encima este texto. Por ceticismo, insensibilidade, ignorância ou até mesmo sabedoria, alguém poderá descartar qualquer interpretação que transcenda a materialidade daquela cera. Com ou sem ‘delírios místicos’, o leitor tire suas conclusões ao final da leitura.

 

Comigo já aconteceu algo bastante curioso, que escrevi aqui há tempos. Quando criança, um boi invadia o nosso roçado para comer as espigas de milho. Eu o expulsava, mas ele voltava. Então peguei a espingarda, caprichei no carregamento e mirei o bicho. Era Sexta-feira Santa e, por sorte nossa, mais minha do que do boi, a espingarda quebrou e o tiro não saiu. Mas há outra história ainda mais interessante do que essa.

 

Era uma também uma Sexta-feira Santa – de jejum e abstinência. Embora meu pai sempre cumprisse e nos recomendasse a observância das normas doutrinais, sempre vacilei nesses preceitos. Mas naquele dia eu estava jejuando. Na hora do almoço, foi-me oferecida uma bacalhoada, que recusei sem muita convicção. Houve insistência. Resisti. “Não é pecado! Coma, vai...”  “Hoje não!”, repliquei quase cedendo. De repente, misteriosamente, o prato espatifou-se no chão, ficando na mão apenas a parte em que os dedos seguravam. Uma massa de cacos, molho, batatas e bacalhau confundiu-me mente e espírito, e eu nunca me esquecerei daquilo.

 

Mas os grandes sinais são sutis, e sua beleza não se vê com os olhos carnais. Para enxergá-los, é preciso ter a fé dos simples, a fé da Irmãzinha.

 

Abaixo está a foto do sacrário onde repousam as Espécies Sagradas. A vigilante vela se desfez e esculpiu a imagem que, sem esforço de imaginação, remete à asa de um dos guardiães que adornam o tabernáculo.

 

DSC00901.JPG

 

 FILIPE

Autoria e outros dados (tags, etc)


2 comentários

Sem imagem de perfil

De Anónimo a 01.04.2018 às 06:19

Simplesmente fantástico! A vida tem seus mistérios! E um mistério é a vida!
Mano, acabo de escutar a história de um homem que nesta última quaresma, no 1o. dia, quarta-feira de cinzas, tendo ouvido a esposa convida-lo para ir à igreja para a celebração, não aceitou. Teria muito trabalho naquele dia, na dura labuta com o tabaco. Assim, respondeu à mulher: "ainda para a frente haverá muitas pazadas de cinza para se poder receber; eu cá fico trabalhando e colhendo as folhas já no ponto". Final da história: todas aquelas folhas colhidas naquele dia, ao serem devidamente colocadas no forno para secar, se incendiaram, restando apenas cinzas! Ele me perguntou: Padre, será que é um sinal?!
Se a gente pudesse prestar mais atenção nos sinais misteriosos da Graça!
Feliz Páscoa a todos! Freizinho
Sem imagem de perfil

De Aureliano a 05.04.2018 às 21:05

Li há alguns dias sua crônica. Tornei a ler. Aí você não relata apenas o "milagre" das 'lagrimas' de parafina, mas remete o leitor a uma reflexão sobre os sinais de Deus na história. Há acontecimentos na vida que ultrapassam a razão. Ademais, nós é que damos sentido aos fatos. O que para mim é uma bobagem, para outro pode ser uma questão decisiva, de vida ou morte. Acho que a reflexão passa por aí. Que sentido tem os acontecimentos em minha vida? Em que eles me ajudam a ser melhor?

Comentar post





Comentários recentes