Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]





Comentários recentes

  • feldades

    Renato, essas fotos devem estar abrigadas em "nuve...

  • feldades

    Uma sobrinha resolveu o problema e minha alegria v...

  • Anónimo

    Sou eu, Renato.

  • Anónimo

    Perdi todas as fotos do meu celular, desde 2019. P...

  • Sandra

    Hoje em dia, as crianças já sabem mais de tecnolog...






NÃO, GENERAL!

por feldades, em 29.09.17

Servi o Exército por dois anos e, apesar da ditadura militar que infelicitava a nação à época, trago boas recordações da caserna. Lá, conheci pessoas íntegras, generosas, que muito me ensinaram.  A disciplina era dura, mas não havia privilégios para os mais abastados. Para o bem ou para o mal, soldado era tratado como tal, sem distinção de cor, classe ou sobrenome. Havia uma frase muito batida, que o sargento repetia aos conscritos nos primeiros dias: “Aqui é o lugar onde o filho chora e a mãe não escuta!”  Não me lembro se chorei no quartel. Devo ter chorado, mas de saudade de alguém, que não escutou, como também minha mãe não escutara – proibida que estava pelo sargento disciplinador.

 

São impressionantes as oportunidades encontradas por quem ingressa nas Forças Armadas. Para o caboclo estudioso e responsável, uma estradinha de sucesso pode ser aberta, e uma carreira, ainda que modesta, pode surgir-lhe alvissareira. Conheci muitos militares graduados oriundos de comunidades carentes, que se ergueram através do empenho pessoal. Há pouco tempo, Dilma Rousseff (alguém se lembra dela?...) deixou ainda mais auspiciosa a carreira militar, garantindo que mulheres ingressem como oficiais combatentes nas três Armas. Antes, elas poderiam exercer apenas funções burocráticas.

 

Gosto dos militares e sei o quanto eles nos são uteis. Tive como capelão o padre Gaio, um capitão amável, que nos devotava carinho quase paternal. Gostava de brincar conosco, dizendo que nunca seria papa, porque não poderia se tornar um “papagaio”. Tinha também um cabo cozinheiro e gorducho, muito bonzinho. Disseram-me que ele colaborava com os soldados, quando estes deveriam mandar fezes ao laboratório de análises clínicas. Não conseguindo colher o material, alguns infelizes recorriam àquele benfeitor, que fornecia o “produto” à farta.

 

Mas tanto lá como cá, maus-caracteres existem e são abundantes. Estes estão nas empresas, igrejas, governos ou repartições públicas, fazendo os estragos de sempre. Quero, com isso, afirmar que não se deve apostar em determinado segmento da sociedade – no caso, os militares – para salvar a pátria, porque salvacionismo só existe nas mentes ingênuas ou insanas.

 

Recentemente, numa loja maçônica, um general da ativa defendeu a intervenção militar no país. Antes, esse mesmo oficial perdera um importante cargo devido a declarações desairosas. Mas agora, tendo como chefe o “denunciado”, não foi punido. Temeroso, o “temerário” não teve a hombridade de ao menos advertir seu subordinado. Nem uma nota, um bilhete, um rabisco qualquer, ele teve coragem de apresentar à nação, reprovando o malfeito do subordinado.

 

Mais recentemente, outro general, agora num templo católico, foi na mesma linha daquele. Em homilia transmitida pela TV, o Arcebispo Militar do Brasil, um “três estrelas”, exaltou a bravura, a competência e a honestidade de seus colegas fardados, confiando a eles a missão de tirar o Brasil do lamaçal em que se encontra. De um bispo católico, eventualmente incardinado capelão militar, espera-se o pacifismo; jamais o belicismo de um aiatolá.

  

Os militares são sempre imprescindíveis, mas desde que permaneçam dentro de seu “quadradinho constitucional”. Os civis, bem ou mal, vamos desentortando os caminhos através do voto. E sem a tutela de generais, por favor!

 

FILIPE

Autoria e outros dados (tags, etc)


1 comentário

Imagem de perfil

De aureliano a 07.10.2017 às 16:23

O recurso à força para resolver os impasses e conflitos parece ter sido sempre a primeira reação do ser humano. Mas Jesus veio ensinar que a fraternidade, a compreensão, o perdão, o diálogo devem ser os meios mais acertados de se resolverem os contratempos da humanidade. A força é quase sempre desumana e injusta. Quem tem mais poder prevalece sobre quem é mais fraco. Dificilmente o mas forte tem razão ou age razoavelmente. Humanamente falando, todos somos iguais.Quando alguém está sendo prejudicado é porque há outro alguém se prevalecendo da força injustamente. Vamos dar uma olhadinha nas atitudes de Jesus?

Comentar post





Comentários recentes

  • feldades

    Renato, essas fotos devem estar abrigadas em "nuve...

  • feldades

    Uma sobrinha resolveu o problema e minha alegria v...

  • Anónimo

    Sou eu, Renato.

  • Anónimo

    Perdi todas as fotos do meu celular, desde 2019. P...

  • Sandra

    Hoje em dia, as crianças já sabem mais de tecnolog...