Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]





Comentários recentes

  • feldades

    É, mano... Nossos pais abriram o caminho e só nos ...

  • feldades

    É a Cynthia? Sendo ou não sendo, obrigado pelo ca...

  • feldades

    Gostaria muito de ler textos de sua lavra sobre os...

  • feldades

    Miguel, seu elogio é para mim um rico prêmio liter...

  • Frei Gabriel

    Sim, Mamãe viveu seus últimos anos com uma doçura ...






NÃO MATARÁS!

por feldades, em 15.09.17

“Desculpa pelo mal-entendido, professor! Eu estava errado aquela vez, foi mal...” Pasmo, ouvi do rapaz aquele pedido de desculpas, que aceitei sem delongas. Disse-lhe ainda que o quero feliz e que todos os dias rezo por ele – como sempre rezo pelas pessoas que me dão alegria ou tristeza. Ele respondeu: “Eu também, professor”. Sem saber se ele rezava por mim ou me desejava felicidade, agradeci de pronto e sinceramente tamanha generosidade.

 

O episódio aludido pelo rapaz não foi apenas um simples ‘mal-entendido’, mas algo bem mais desagradável. Há tempos, sofri dele uma agressão verbal na sala de aula seguida de ameaças etc. Colérico, reagi como pude, e se arma eu portasse naquele momento, uma história bem diferente desta estaria para ser contada.  Mas a cura para essas e outras chagas encontrei nas preces que faço diariamente.

  

Todos passamos por dolorosos conflitos, quando nos afloram os mais inconfessáveis ímpetos homicidas, mas não podemos sucumbir à força da nossa natureza nada angelical. Usemos a razão ou, doutra forma, trocaremos a civilização pela barbárie.

 

Recentemente, uma vibrante manchete ocupou várias mídias, louvando a "bem-sucedida” operação policial que deu cabo de dez bandidos. A fatídica quadrilha ousara assaltar uma residência num bairro da grã-finagem paulistana, e se deu mal. Falou-se de “intensa troca de tiros” entre polícia e bandidos. O governador publicou nota em apoio à operação, afirmando que “uma quadrilha foi desmantelada”, e que “quem porta fuzil não quer conversar”.

 

De início, quis concordar com o governador, mas só “de início”, porque não dá para aceitar aquele tipo de operação como “política de Estado”, principalmente de quem pleiteia ser presidente da República. Explico.

 

Primeiro: não houve “troca de tiros”, porque, felizmente, nenhum policial foi baleado. Já no lado do ‘inimigo’, uma sinistra média de quatorze perfurações por cadáver – a maior parte com sinais claros de execução. Foram 139 tiros certeiros em 10 homens, alguns com mais de trinta ‘buracos’; quem recebeu apenas um tiro, teve-o na nuca. Segundo: a quadrilha não foi desmantelada. As autoridades sabem que os mentores do crime nem sempre participam de ação armada.  Aqueles que morrem não passam de “soldados” de uma organização sofisticadamente hierarquizada. As “altas patentes” foram preservadas com a morte de seus comandados. Estes poderiam entregar seus chefes, porque a moda agora é “delação premiada” – alguém aí já ouviu falar dela?

 

O caso “Morumbi” é notícia velha. Ninguém quer saber mais disso nem do que acontece nos grotões do país, quando lideranças camponesas são exterminadas como moscas. Índios, quilombolas, sindicalistas são perseguidos e dizimados sem que ninguém os proteja.

 

A nova “política de segurança” implantada por Michel Miguel, o Pequeno, é de morte e não de vida. Além de tantas 'temeridades', a triste figura acaba de liberar a famosa pistola Taurus Millenium 9 mm, uma das armas mais letais do mundo, capaz de matar até três pessoas com um único tiro. Policiais de folga poderão portá-la, mas apenas os policiais. Mas alguém precisa avisar os bandidos que eles não têm autorização... E nada de ficar chupando o dedinho, cobiçando a arma do meganha, entendeu?...

 

“Não matarás!” Já li isso em algum lugar, mas faz muito tempo.

 

FILIPE

Autoria e outros dados (tags, etc)


4 comentários

Sem imagem de perfil

De frei Gabriel a 15.09.2017 às 17:10

Olá Mano!
Paz e bem!

Quase fiquei emocionado pela história desse pedido de perdão. Lembro-me bem de seu relato daquela vez. Você recebeu uma tremenda ameaça e ataque verbal que o tirou do sério e quase terminou em problemaço! Agora fico sabendo do pedido de desculpas do agressor. Vc recorreu à oração, e teve tantos efeitos positivos: pode agir com maior uso da razão, entrou no doloroso processo do perdão; recobrou aos poucos a serenidade; evitou vingar-se; e agora ainda escuta um pedido de perdão! O rapaz também foi atingido pela bondade e maior maturidade!
O Mestre de Nazaré é muito claro em afirmar que não se resolve o mal do mundo com outro mal! Mas Ele também agarrou-se à vigilante oração para enfrentar o império do Mal e morrer dando a vida e perdoando os seus malfeitores.
Fica aí um exemplo importante de como agir diante da violência sofrida!
Quanto a essas execuções sumárias apresentadas como resposta a resistência de bandido é uma saída muito grosseira.
A violência tem crescido no nosso País, mas não acreditamos que se esteja cura-la pela raiz.
Obrigado pela reflexão
Frei Gabriel
Sem imagem de perfil

De Carlos Lopes a 16.09.2017 às 22:46

A dissolução de drama é um alívio psicológico tão aliviante quanto se ver livre dos sapatos apertados...
Vivenciar um caos é viver numa selva sem proteção, onde os predadores são as feras e os caçadores...
Sem imagem de perfil

De Everton Souza a 17.09.2017 às 12:10

Cada um tem seu pretexto para matar. E assim a humanidade caminha. Tudo é justificado, inclusive a barbárie.
Imagem de perfil

De aureliano a 19.09.2017 às 18:44

Filipe, fiquei feliz quando li sua postagem. Um reverso de tantas situações que você tem contado e escrito ocorridas com você (e tantos professores) em sala de aula.
Coincidentemente, a liturgia da Palavra deste final de semana (24º domingo do tempo comum) nos move a esse difícil, árduo e imprescindível caminho de perdão e reconciliação.
Nunca se perde por tolerar, perdoar, condescender. Um dia os frutos aparecem. Parece com a jabuticabeira: demora anos, mas dá fruto.
Mas o Governo caminha na direção do resultado financeiro de quem tem mais poder. Não importam os meios nem as vidas ceifadas, mas o lucro.

Comentar post





Comentários recentes

  • feldades

    É, mano... Nossos pais abriram o caminho e só nos ...

  • feldades

    É a Cynthia? Sendo ou não sendo, obrigado pelo ca...

  • feldades

    Gostaria muito de ler textos de sua lavra sobre os...

  • feldades

    Miguel, seu elogio é para mim um rico prêmio liter...

  • Frei Gabriel

    Sim, Mamãe viveu seus últimos anos com uma doçura ...