Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]





Comentários recentes

  • Anónimo

    Obrigado, Mano,por mais uma bela crônica sobre nos...

  • Anónimo

    Que triste pensar nas “ruínas” que já foram palco ...

  • Anónimo

    Que dizer?Esperar para crer?Crer que não adianta e...

  • Thais

    Que texto lindo!! Me emocionei com suas palavras. ...

  • Anónimo

    Só não conheci o Sr. José pessoalmente, mas sei ...






NAS GERAIS

por feldades, em 27.11.15

Estava com saudade de minas gerais (com minúsculas, porque somos íntimos) e do sotaque daquela gente. Quis ver Minas com seus mineiros e seus minérios, sem mineradoras. Quis ir lá, quis olhar para suas montanhas e nutrir-me de toda aquela mineiridade. Quis rever meus pais.

 

No ônibus, ao embarcar, já pude sentir um pouco do que buscava. Umas pessoas conversavam sobre esta e outra viagem que fariam. “Preciso ir a “Sansdumon” visitar minha afilhada. Faz tempos que não vou praquês lado”, disse uma. O outro, que não iria a Santos Dumont, dizia não ver a hora de chegar a “Viscon Ribranco”, onde comeria “franconquiabo” e angu. Depois, esticaria até a casa de seu compadre, em Coimbra, lá no alto da serra.

 

Do terminal do Tietê, em São Paulo, parti com destino a Visconde do Rio Branco. Estava ansioso por chegar a Guiricema. Havia tempos que não via meus pais e queria sentir o cheiro de barro, de mato molhado; queria andar por aqueles pastos e respirar ar puro. Do meu lado sentou-se um simpático senhor e seu nome é Zezito. Soube ao me despedir, porque durante a viagem não costumo conversar. A experiência me ensinou que, se a viagem é longa, o silêncio é o melhor companheiro. Trocas de impressões são bem-vindas, mas somente ao final do percurso.

 

Cheguei de manhãzinha no “ninho paterno” onde papai e mamãe me aguardavam prazenteiros. Ele, como sempre, animado, sorridente; ela, também alegre e com seu proverbial “Deus te abençoe!”. Essa é a forma que mamãe encontrou para disfarçar o incômodo, quando não reconhece quem chega: talvez filho, sobrinho ou, quem sabe, um irmão. “Na dúvida, é melhor abençoar”, ela deve pensar.

 

Cheguei eu, depois foram chegando outros filhos. No dia seguinte, estava reunido o primeiro quinteto da prole. Desde o Mano Véio, passando pela irmã mais velha, este rabiscador, o Irmãozinho e o Sacramentino. A parte mais nova da prole, um sexteto, não pode comparecer. Naquele momento celebrativo, cavoucamos o passado e desenterramos fatos marcantes na história da família. A irmã mais velha e o Irmãozinho, ambos de fabulosa memória, deram os detalhes de coisas antigas, das quais eu nem lembrava. O Sacramentino, que naquele momento se fazia caçula, apenas ouvia e contemplava. Este irmão é assim mesmo: calado, ouvinte, o mais sábio de todos. Falamos sobre tia Badica, a turma do Julim Mendonça, Tatão Tibúrcio, Angelina e outros antigos personagens de nossas histórias, algumas alegres e outras tristes.

 

Na varanda, enquanto revisitávamos o passado, o Mano Véio observava de longe. Não sei por que, mas ele parece não apreciar reminiscências. Passava, às vezes de raspão, e dizia: “Aí, Felipão, quando se aposenta?”,  ou: “Aí, Felipão, dando muita aula?” Quando ia responder, era tarde. Já estava longe, mexendo numa revista, na TV ou fazendo outra coisa. O Mano parecia preocupado com uma aula que daria no dia seguinte para “quarenta diáconos”.  “Vou começar com uma pergunta sobre a diferença entre pastoral e evangelização”, disse isso mais de uma vez. Caso eu fosse um daqueles diáconos, aprenderia também a semelhança. Não sendo diácono, nem teólogo e não assistindo àquela aula, ficarei sem saber “qual é a diferença”.

 

Mas, o motivo da viagem foi a comemoração dos oitenta e cinco anos de meu pai, que parecia um garoto, de tão feliz. Passou o dia no “feice” respondendo às centenas de mensagens, que não paravam de chegar. À tardinha, houve oração, “parabéns pra você” e muito bolo.

 

Que esta festa se repita e se estenda a outros lares. Pois a vida não é para ser vivida apenas, mas continuamente celebrada.

 

FILIPE

Autoria e outros dados (tags, etc)


5 comentários

Sem imagem de perfil

De Imaculada a 01.12.2015 às 00:01

Olá Filipe, como nos enriquece ler e refletir o que você escreve. Agora por exemplo viajei até Guiricema, e como estou com saudades da nossa terra querida. O tempo parece correr tão veloz que quando percebemos, o Natal já está outra vez a bater em nossas portas e mais um ano se passou, desde já desejo a você e família um Natal repleto das bênçãos de Deus.
Meu pai já esta quase completando 03 anos que requer o nosso cuidado e carinho especial, será o segundo Natal em que ele esta acamado e este tempo tem nos ensinado muito; em algumas de suas postagens você nos faz refletir sobre esse tema. Obrigada por suas palavras e orações.
Rezamos por seu pai na missa de sábado. Ele é realmente muito especial para a família e amigos.
Continuo acompanhando as suas postagens, não desanime nunca. Abraços.
Sem imagem de perfil

De frei Gabriel a 01.12.2015 às 18:10

Olá meu mano querido!
Estou de volta, depois de muita ausência!
Ah, como você com seu inspirado texto me fez estar dentro daquele Salutaris, que já virou Águia Branca, ou coisa semelhante, e observar as várias personagens que vão se abancando por ali, a maioria tipicamente mineiros da nossa querida Zona da Mata.
Todo o povo tem seu valor, hoje quase não consigo dizer que um é melhor do que outro. O que conta, sobretudo, são as impressões positivas que deixam marcadas na nossa história pessoal e familiar... Que dom maravilhoso, esse da memória! Certas palavras, as mesmas que ouvimos milhares de vezes, quando pronunciadas pela nossa gente, com aquela ênfase, com determinado ritmo e acentuação, nos evocam coisas tão recônditas, que às vezes, somente as lágrimas expressam o que retine na alma...
Que inveja não pecaminosa senti ao ler o que aconteceu neste memorável 20 de novembro de 2015. Papai completar 85 anos! Quem diria! E fôlego de menino! Alegre, vibrante, e sobretudo: um coração imensamente grato a Deus pelo dom de viver. Papai nunca precisou disfarçar a vida, esconder-se atrás de um vício, dar um jeito para a vida passar logo! Ele vibra com cada dia, cada mês, cada ano! Em tudo ele diz: Deus seja louvado!
Ó Senhor, concede a nós, degredados e degradados filhos de Eva (e de Adão), aprender a degustar assim a vida, como uma bebida inebriante, gole por gole, até terminar como S. Clara: “Vai em paz minha alma! Aquele que te criou é também quem te salvou! Obrigado, Senhor, por me haverdes criado!”
Sem imagem de perfil

De Aureliano a 02.12.2015 às 23:53

Fabulosa crônica, mano! Assim você registra para quem foi e para quem não foi; para quem está aí e para quem um dia lerá, aquele acontecimento, porque simples, altamente significativo na vida do papai e de nossa família: 85 anos de um homem que gosta de viver e não tem medo de morrer. Às vezes ele diz: "Estou aqui, aguardando a hora que o Senhor vem me buscar".
Ali, naquele lugar que nos foi dado iniciar nossa vida, foi-nos dado também ser formados na fé cristã, na educação para os valores que contam, a partir, particularmente, daquele velho tranquilo por ter cumprido sua missão de pai, de esposo, de cristão católico.
Jesus disse que "àquele a quem muito foi dado, muito mais será cobrado". Recebemos muito. Nossa missão é espalhar pelo caminho as sementes do bem que nos foi dado experimentar e contemplar.




Sem imagem de perfil

De Carlos Lopes a 03.12.2015 às 00:49



Você é fantástico ! Ficou melhor do que uma filmagem.

“Sansdumon"...

o Mano Véio observava de longe...

mas continuamente celebrada...

Parabéns !


Sem imagem de perfil

De Everton Souza a 05.12.2015 às 14:13

Sagrados são estes momentos com a família e por nada no mundo devemos trocá-los. No fim das contas, são momentos assim que mostrarão que a nossa existência realmente teve algum sentido. Família é tudo, cuidemos com carinho dela.

Comentar post





Comentários recentes

  • Anónimo

    Obrigado, Mano,por mais uma bela crônica sobre nos...

  • Anónimo

    Que triste pensar nas “ruínas” que já foram palco ...

  • Anónimo

    Que dizer?Esperar para crer?Crer que não adianta e...

  • Thais

    Que texto lindo!! Me emocionei com suas palavras. ...

  • Anónimo

    Só não conheci o Sr. José pessoalmente, mas sei ...