Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]





Comentários recentes






O CARAPINA

por feldades, em 18.07.20

Eu estava preparando um almoço no fogão a lenha, queimando uns restos de madeira usada na obra, e pensava estar ecologicamente correto. Mandei uma foto para o grupo de WhatsApp da família e recebi uma admoestação: “Queimando madeira boa... Com essas tábuas daria para fazer um pinteirinho ou outra coisa qualquer”. Aquela frase me deu uma baita fisgada na espinha, mas tentei consertar: “São sobras da obra e essas madeiras são pínus, que iriam apodrecer”. A minha resposta não convenceu nem a mim nem a ele, eu acho, embora o bom mano tenha se recolhido da observação.

 

Depois disso, quando ia pegar ‘lenha’, comecei a separar umas tábuas. Olhava uma, olhava outra, antes de decidir qual delas seria “condenada às chamas” do meu fogão. E assim, umas foram escapando e ficando empilhadas à parte. E, precisado que eu estava de uma mesinha para pôr na varanda, decidi improvisar. Peguei aquelas tabuinhas, arranquei os pregos, limpei-as dos restos de concreto e comecei meu labor de carpinteiro amador. Serrote, martelo, um pedaço de piso cerâmico como esquadro e uma furadeira resolveram todos os meus problemas.

 

Enquanto eu riscava, cortava, pregava e ia montando a mesinha, pensava no meu velho pai que a vida toda sonhou ter uma ‘caixa de ferramentas’. Papai trabalhava como carpinteiro, fazendo engradamento de telhado em toda a redondeza, mas as suas ferramentas eram precárias – hoje eu sei disso.  Ele tinha um serrote do cabo vermelho, que eu usava furtivamente para cortar tudo que encontrava pela frente. Todas as vezes que papai não encontrava uma ferramenta, ou a achava avariada pelo mau uso de um curioso, ficava muito bravo e com razão.

 

Papai tinha um caixote onde guardava, além do serrote, formões, enxó, martelo, torquês, plaina, colher de pedreiro, prumo e um arco de pua. Mas esse arco de pua era uma coisa muito interessante, que só papai conseguia usar. Gostava de observá-lo pôr a verruma no arco e apoiar no peito uma rodela que girava. Depois, com movimentos circulares, a verruma penetrava a madeira extraindo tiras espiraladas e fazendo um furo. Menino ainda, eu não conseguia a proeza de usar o arco de pua, embora tentasse.

 

Enquanto eu fazia a minha mesa, ia pensando sobre as dificuldades de meu pai. Ele sempre trazia consigo algum ferimento pelo uso das ferramentas. Como seu rombudo martelo que, teimoso, quase sempre esquivava do prego e lhe acertava o dedo. Houve algo mais sério também com meu pai, como um acidente com o arco de pua. Papai trabalhava na casa de uma de suas irmãs e a verruma pegou seu joelho, deixando-o paralisado por um tempo. Felizmente, horas depois, ele recuperou o movimento da perna e conseguiu caminhar até a casa.

 

Feita a minha mesa, eis que no dia seguinte recebo um vídeo de uma sobrinha com o meu pai trabalhando como carpinteiro. Com um esquadro e lápis ele riscava em meia-esquadria uma guarnição e depois serrava e pregava e conferia e via que tudo estava certo conforme planejara.

 

Por alguns segundos e cheio de júbilo, pude ver na tela de meu computador o velho carapina em ação!

 

FILIPE

Autoria e outros dados (tags, etc)


14 comentários

Sem imagem de perfil

De Anónimo a 18.07.2020 às 11:47

Parabéns Filipe pelo texto. Lembrou meu pai, bateu saudades. Feliz sábado!
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 18.07.2020 às 12:05

Parabéns por nos fazer bem, com estes belos textos.
Sem imagem de perfil

De Aureliano a 18.07.2020 às 13:09

Foi a imagem que me veio à memória quando vi a filmagem da Patrícia. Transportei-me a outros tempos em que via ou ajudava o papai nesses serviços. Ele nos ensinou a trabalhar, a "ganhar o pão com o suor do rosto" (Gn 3,19). Nunca nos disse: "faça como eu". Mas sua vida é eloquente.
O José Lopes inspirado no José de Nazaré.
Fico indignado e triste ao ver gananciosos executivos, parlamentares e magistrados ganhando milhões em ordenado e em desvio de verba pública. E os pobres cada vez mais mendicantes.
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 18.07.2020 às 20:26

Muito bom o texto Felipe.
Tive o privilégio de aprender muito com o papai.
Quando era criança ficava encantado com o arco de pua.
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 22.07.2020 às 19:27

Parabéns Felipe pelo texto,me vi na sua redação,eu embora menina gostava muito das ferramentas do meu pai...
Imagem de perfil

De João Victor Moura a 23.07.2020 às 01:05

Gostei do relato! Fez-me relembrar e sentir grande saudade do fogão a lenha. Afinal, gosto desses tipos de relatos, pois me faz lembrar muito bem de minha infância, morava na cidade, mas com a alma no campo. Abraços, carpinteiro!
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 28.07.2020 às 19:52

Achava que eu era o único que ficava abobado com o arco de pua! Eu amava ver Papai usando-o! Ficava torcendo, quando estava numa obra, para ele logo ter de usar! E eu escondidamente tentava fazer alguma coisa, mas o jeito e a força não deixavam!
Gostava muito da enxó! Parecia-me um enorme besouro! Gostava de ver Papai ajeitar a madeira com muito capricho, utilizando-a!
Que bons tempos!
E então valeu também duplamente a chamada de atenção sobre o desperdício de madeira:
- rendeu-lhe uma bela mesinha
- e um belo texto literário!
Dá para acrescentar uma terceira:
- recordações de nossos pais e nossa infância!
Grato pelo brinde!
Seu mano: Freizinho
Imagem de perfil

De feldades a 29.07.2020 às 00:25

Eta! Agora todo mundo aparece pra confessar traquinagens com as ferramentas do papai. Naquele tempo, a ferramenta que papai usava para nos consertar era o "currião". Mas o cinto está aposentado e já podemos até brincar com as ferramentas do 'carapina'.

Comentar post





Comentários recentes