Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]





Comentários recentes






O COZINHEIRO PORCO

por feldades, em 20.01.24

3C296B2A-B1AD-4375-AEB8-8BE21E73FD15.jpeg

Confesso que me esforcei, mas acho que não consegui fazer direito. A minha cozinha estava toda enfumaçada, com picumãs descendo sobre minha cabeça e as paredes bem encardidas. Depois de tanto procrastinar, meti a mão na tinta e dei uma boa caprichada. Mas o fogão continua fumê, esperando por um tio que prometeu usar até uma cavadeira para, segundo ele, remover a crosta de carvão. Maldade dele, porque o meu fogão não é mais fumarento e nem está tão sujo assim.

 

O meu objetivo aqui nem seria falar do fogão, que está feliz desse jeito meio sujão, mas o assunto seria as paredes, que foram pintadas após anos me implorando por um banho de tinta branca. Sobre o fogão, acho melhor deixá-lo assim mesmo, porque descobri que ‘cozinheiro bom é cozinheiro porco’ e, dessa forma, a cozinha pode ficar ‘mais ou menos, que já tá bom demais.

 

Você que me lê observe uma coisa. Se um dia for comer na casa de um amigo ou num restaurante e achar a comida deliciosa, é melhor não bisbilhotar a cozinha, porque, com raríssimas exceções, o cozinheiro é um porcão. Há um ditado com alguma lógica, mas pra lá de preconceituoso, que diz: “Quer boa comida, siga os gordos!”. Se é verdade que apenas os gordinhos conhecem o caminho da ‘boa mesa’, não posso afirmar, mas posso afiançar que alguns “porquinhos” são bons quituteiros – o que não exclui a hipótese de que haja “porcões” fazendo comidas horríveis por aí.

 

Contudo, a recíproca para essa minha tese não é verdadeira. Se “porquinhos” fazem comida boa, não significa que toda comida boa seja exclusividade de “porquinhos”. Pois sabemos por experiência e vivência que há muita gente limpinha, sobretudo mulheres, fazendo comida maravilhosa por aqui, por aí, por lá e acolá.

 

Quando falo de ‘cozinheiro porco’, eu me refiro apenas e tão somente à lida dele com pratos e panelas e também da falta de zelo com os ingredientes que está usando. Nem ouso falar daqueles que deixam a cozinha para ir ao banheiro e voltam de lá com as “mãos sequinhas”, se é que me entendem.

 

O ‘cozinheiro porco’ costuma usar muitos panos de prato, que pega limpinhos na gaveta, e os deixa espalhados pelas pias e mesas. Volta e meia ele pega um e põe no ombro e este faz “milagres” na sua mão. Com esse pano ele pega panelas quentes, enxuga conchas e escumadeiras, passa sobre a barra do fogão e, de vez em quando, remove o suor da testa.

 

A cozinha, todo sabemos, é a arena do cozinheiro, e ali ele é um gladiador bem nutrido e bem armado, que, com boas facas, resolve qualquer parada, desde a desossa de um pernil até a expulsão de um intruso.

 

E, assim, encerro a crônica que teria como mote a pintura da minha cozinha, mas me ative ao fogão e seu cozinheiro, que talvez seja eu mesmo.

 

FILIPE

 

Autoria e outros dados (tags, etc)


2 comentários

Sem imagem de perfil

De Anónimo a 21.01.2024 às 00:41

Parabéns meu primo,como sempre uma beleza de crônica, é por aí mesmo que vive os cozinheiros (a)

Comentar post





Comentários recentes