Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]





Comentários recentes

  • feldades

    É, mano... Nossos pais abriram o caminho e só nos ...

  • feldades

    É a Cynthia? Sendo ou não sendo, obrigado pelo ca...

  • feldades

    Gostaria muito de ler textos de sua lavra sobre os...

  • feldades

    Miguel, seu elogio é para mim um rico prêmio liter...

  • Frei Gabriel

    Sim, Mamãe viveu seus últimos anos com uma doçura ...






O ESTEIO DA FAMÍLIA

por feldades, em 13.04.24

PHOTO-2024-04-12-21-35-02 (1).jpg

Fazendo memória nestes dois anos da ‘passagem’ de meu Velho, começo este texto ouvindo “Esteio de Aroeira” – um clássico da dupla Zé Fortuna e Pitangueira. “Meu pai que também era o esteio firme da família (...)” – ouço emocionado.

 

Na última vez que visitei meu pai, estávamos jogando cartas quando me veio a ideia de pôr algumas músicas pra tocar e enfeitar nosso lazer. Comecei por “Esteio de Aroeira”, tendo a certeza de que ele a conhecesse e apostando que gostasse dela, mas não foi bem assim. Papai, que até então escolhia atentamente as cartas que formariam canastras e aquelas que deveria descartar, desviou o foco para aquela música, que o embevecia.  Ao final, perguntei se a conhecia, e para minha surpresa ele disse que não, mas que achou muito bonita. Na foto acima, um registro daquele carteado, que foi o último; no dia seguinte ele seria internado pra não mais voltar.

 

Desde a primeira vez que ouvi ‘Esteio de Aroeira’, e isso já faz muitos anos, a imagem de meu pai me veio solene com ela. Ainda assim, não sei por que, eu nunca havia pensado em pôr essa música para ele ouvir. Nem mesmo quando lhe dei uma caixinha de música com um pen-drive contendo mais de uma centena de clássicos da música sertaneja-raiz. Ali havia sucessos de Tonico e Tinoco, Liu e Leu, Pedro Bento e Zé da Estrada, Zilo e Zalo, Pena Branca e Xavantinho, e até mesmo de Zé Fortuna e Pitangueira, mas não havia ‘Esteio de Aroeira’.

 

Meu pai sempre gostou de música e cresceu ouvindo rádio. Numa ocasião, quando ele era pouco mais do que um menino, talvez no começo da década de quarenta, meu avô Sebastião comprou um rádio a válvula, que era ligado sempre à noitinha. A energia elétrica vinha de uma pequena usina construída por esse avô, e o gerador conseguia abastecer duas ou três casas na redondeza.  Em torno daquele rádio, a família Lopes de Lima recebia a vizinhança para ouvir a Rádio Nacional do Rio de Janeiro, a mais famosa na época.

 

O tempo passou, meus pais se casaram e compraram um rádio a válvula semelhante àquele do meu avô. Certa feita, o casal teve que se mudar para uma casa mais distante, de forma que ficaram sem eletricidade e... sem rádio! E assim se passaram muitos anos até que, com a família já grande e para a alegria de todos nós, papai adquiriu um rádio a pilha.

 

Os anos foram passando ainda mais velozmente e a tecnologia foi chegando à nossa casa. Agora papai já podia assistir televisão, ouvir rádio à vontade, mas ainda não tinha internet e nem queria saber dessas ‘modernidades’. No entanto, foi a caixinha de música com aquele pen-drive que fez a alegria de meu pai por bastante tempo. Sempre que eu chegava, lá estava ele fazendo palavras cruzadas e com a caixinha ligada, ouvindo música.

 

O tempo deu outro salto e na casa de meu pai chegou um notebook. Agora com o computador, tudo mudou radicalmente. Papai tornara-se um internauta e passou a se ocupar com seus inúmeros ‘amigos e amigas’ do Facebook.  E foi a partir daí que a “minha” caixinha de música foi aposentada e dela nunca mais se teve notícia.

 

Enfim, há exatos dois anos, papai foi ‘tombado pelo tempo’. E como aquele sempre lembrado ‘velho esteio de aroeira’, o ‘Velho Esteio’ da nossa família jamais será esquecido.

 

FILIPE

 

Autoria e outros dados (tags, etc)


3 comentários

Sem imagem de perfil

De Aureliano a 13.04.2024 às 18:19

Que maravilha, Felipe! Você tem boas lembranças que iluminam nossa vida e acalentam nosso coração na ausência do "Velho Esteio" que tombou pelo tempo, mas que é reerguido pela nossa memória e pelas "espias" que ele deixou. O tempo não apaga em nosso coração sua memória memorável.
Sem imagem de perfil

De Frei Gabriel a 14.04.2024 às 01:59

Paz e bem!
A gente cresceu - digo, os filhos mais novos - ouvindo clássicos da música sertaneja. Papai acordava cedo e já ligava o rádio. Depois, pelas 05h30min ele saía de mansinho, encostava a porta e ia para a Santa Missa das 6h. Às vezes, Mamãe o acompanhava. Um dia, eu teria uns 8 anos, pedi ao Papai que me chamasse. Era uma alegria subir a pequena encosta à luz das estrelas, com Papai, que puxava em voz alta suas orações da manhã. Sua voz piedosa e firme ainda ressoa aos meus ouvidos já cinquentenários. Como o senhor nos sustentou com seu exemplo e palavras, bom Papai. Que saudades!
Sem imagem de perfil

De José de Anchieta a 14.04.2024 às 02:58

O Felipe sempre nos surpreendendo com sua mente pródiga. Me recordo de tudo isso, nós íamos na casa do tio Joaquim e ficava ate tarde ouvindo músicas sertanejas através da rádio Record de São Paulo. E ainda comendo broa de fubá ou bolinho de chuva. Me recordo que todos nós, sempre tivemos acesso aos meios de comunicação via rádio, o qual sou fã de carteirinha. Valeu mano!!!

Comentar post





Comentários recentes

  • feldades

    É, mano... Nossos pais abriram o caminho e só nos ...

  • feldades

    É a Cynthia? Sendo ou não sendo, obrigado pelo ca...

  • feldades

    Gostaria muito de ler textos de sua lavra sobre os...

  • feldades

    Miguel, seu elogio é para mim um rico prêmio liter...

  • Frei Gabriel

    Sim, Mamãe viveu seus últimos anos com uma doçura ...