Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]





Comentários recentes






PESADELO

por feldades, em 18.06.22

Eu estava num campo de pastagem e mata, numa região montanhosa, acompanhado de um irmão e uma moça, que não consigo lembrar quem. Em certo momento, sem que percebêssemos a tempo, um touro se desgarrou do rebanho e partiu em nossa direção. Sem saber o que fazer nem se haveria algo a ser feito, corri morro acima, deixando para trás o casal. O touro me escolheu, gostou de mim, e quanto mais eu corria, mais ele se aproximava, chegando a bafejar o vento quente de suas ventas nas minhas costas. A custo e extenuado, cheguei a um sítio e percorri sua cerca até uma abertura por onde entrei. O touro me seguiu, entrando logo atrás. Continuei minha carreira à beira da cerca de arame farpado, cujos fios extremamente esticados faziam-na intransponível. O touro continuava no meu encalço e eu já não tinha forças para escapar de suas guampas. De repente, vi num ponto da cerca um pequeno vão por onde passei para o outro lado, rolando no chão. Foi a conta de eu passar para que o marruá chegasse. Ele parou, me fixou bufando e começou a forçar a cerca cujos mourões estalavam. Pensei: se ele der a volta para me pegar, eu passo por baixo da cerca e fico livre novamente. Mas se ele resolver pular ou quebrar a isso aqui, vai me pegar e estarei morto. Mas o touro deve ter se compadecido de mim, porque me deixou de lado para continuar sua maratona morro acima.

 

Desci e encontrei meus companheiros, que pareciam se divertir com minha desdita. Olhamos para cima e avistamos ao longe o touro, que continuava subindo a montanha, mugindo pavorosamente. Um pouco abaixo havia uma mata fechada com umas incrustações rochosas. Entramos naquela mata, descendo por uma trilha estreita entre rochedos. Eu estava à frente do grupo e minhas pernas bambearam quando me deparei com outra fera. Dessa vez não foi um touro, antes fosse, mas um felino enorme, colossal. Visto de perto, e eu estava perigosamente próximo daquele animal, pensei que fosse um leão. Por óbvio não era leão, mas talvez uma onça-parda. O bicho estava deitado na trilha por onde passaríamos. Parecendo sonolento, ele nos olhou sem curiosidade e sem se mover. Havia perto de mim uma pedra, que fiz menção de jogar naquele monstro, mas fui desaconselhado a fazer isso. Seria temerário agir assim, mas o que nos resta se a morte é iminente?... Ficamos parados, pensando no que fazer, por uma eternidade de alguns segundos. Voltamos pela mesma trilha e tentamos nos esconder numa maloca de pedra para ver como lidaríamos com aquela situação. Mal chegamos ali e a onça já apareceu para um ‘acerto de contas’. Ela se posicionou na entrada da maloca, pronta para nos atacar, e nós não tínhamos por onde escapar. Naquele momento eu só pensava em como deveria ser doído morrer dilacerado pelas mandíbulas de um felino. Meu pensamento era macabro: por onde ela começaria o banquete, que parte de meu corpo ela comeria primeiro?... Mas eu tinha nas mãos um pequeno bastão e decidi lutar com ela. Sem alternativa, armei o porrete para lhe dar um golpe, mas ela se antecipou e minha ‘arma’ caiu.

 

E foi justamente nesse momento que acordei. Ufa!

 

FILIPE

Autoria e outros dados (tags, etc)


3 comentários

Sem imagem de perfil

De Lucia Bastos a 18.06.2022 às 22:12

Acho que jantou muito tarde e dormiu de estômago cheio pra
ter um pesadê-lo desse, ou então é síndrome de professor perseguido.....rsrsrs..
Imagem de perfil

De feldades a 19.06.2022 às 00:21

Deve ser o momento político conturbado que vivemos, Bastos. Tá feia a coisa!

Comentar post





Comentários recentes