Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]





Comentários recentes

  • Anónimo

    Obrigado, Mano,por mais uma bela crônica sobre nos...

  • Anónimo

    Que triste pensar nas “ruínas” que já foram palco ...

  • Anónimo

    Que dizer?Esperar para crer?Crer que não adianta e...

  • Thais

    Que texto lindo!! Me emocionei com suas palavras. ...

  • Anónimo

    Só não conheci o Sr. José pessoalmente, mas sei ...






PRA QUE CHORAR?...

por feldades, em 05.08.16

De filipemouralima@gmail.com para casacivil@presidencia.gov.br

 

 

Andei pesquisando e não encontrei a informação de que tanto preciso: Com quantos anos, em que cargo e com que salário se aposentou o ministro Eliseu Padilha?

Ficaria muito agradecido se o próprio me informasse.

FILIPE   

 

 

Fui ignorado pelo ministro-chefe da Casa Civil a quem ousei mandar o e-mail acima, mas isso não me surpreendeu. O que me assombrou foi a súbita indignação de uma boa alma, até então muito crédula da ‘nova ordem’ que se instalou no país.

 

“Quanto tempo falta para você se aposentar?” –  perguntei àquela mulher, uma velha conhecida. “ contando nos dedos. Pra mim, faltam cinco anos... Cruz-credo, num aguento mais esperar!” “É, mas talvez falte mais tempo...” “Como assim, mais tempo?!...” “O novo governo vai mexer no tempo de contribuição.” “Mas, pros novos, né?... Pra nóis, os véio, num mexe mais não.” “Querem aumentar em quarenta por cento o tempo de contribuição para todos. Assim, você terá que trabalhar mais sete anos, em vez de cinco.” “Mas num pode...” “Poder, não pode, mas você não sabia?” “Não! Eu vejo o Jornal Nacional todos os dias e não vi nada disso...” “Ahn!...” Mordi a língua para não dar risada.

 

Esse assunto foi um despropósito. Após um dia inteiro na labuta, a mulher estava esparramada no sofá – cansada, mas serena e feliz. Queria assistir à tevê tranquilamente, mas alguém lhe estraga a tarde... E estraguei mesmo. Ela se reposicionou no sofá, agora o rosto teso, ruborizado, e começou a vociferar contra o governo. “Eu não aguento trabalhar por mais tanto tempo. Já estava certa de que ia me aposentar daqui a cinco anos...” E começou a despejar uma malcheirosa carga de impropérios. Por pudor, não reproduzo suas palavras e as trocarei por algo próximo a parônimos. O leitor que se esforce e me desculpe. “Mas num pode..., buda baliu! Mas que filho da luta! O que nóis vai fazê  pra arrancar esse fiado de lá?! (...)”

 

Estranhei o rompante de quem sempre esteve empolgada com o ‘temerário interino’, mas arrumei um jeito de piorar a coisa e fiz a fervura levantar a tampa da panela. “Tem uma saída”, eu disse. Ela arregalou os olhos, esperando consolo. “O governo propõe, a quem não aceitar o aumento no tempo de serviço, idade mínima de 65 anos para homens e 62 ou 63 para mulheres e você poderá escolher.” Mal terminei e a pobre começou a tossir. Sua face, antes rubra, tornou-se arroxeada. Mas não era de brabeza aquela tosse. Talvez cigarro, um golpe de ar frio, sei lá..., brabeza é que não era. Saí dali ‘morrendo de dó’, coitada...

 

Eu, que me aposentaria ano que vem, terei que ralar ainda por sete, talvez setenta, ou quem sabe setenta vezes sete anos! Muitos perguntam: “Já se aposentou? Quando se aposenta?... Estou velho, mas sem exageros, por favor. Outro dia, um trouxa passou de moto e gritou: “Oi, fessô, num morreu ainda?!”

 

Não morri, não recebi resposta do ministro, mas senti uma estranha comichão de contentamento com a macabra notícia da reforma da Previdência engendrada por Padilha, que o JN não deu e a Folha escondeu na última página. Mas o povo bem que merece as traquinagens do “pai do ‘Michelzinho’”! Então, pra que chorar?...

 

FILIPE

Autoria e outros dados (tags, etc)


8 comentários

Sem imagem de perfil

De Maria Lucia a 05.08.2016 às 13:50

Adorei!!! KKKK...e ri muito!!
Sem imagem de perfil

De Everton Souza a 06.08.2016 às 00:04

Meu estimado amigo, sem retoques o seu texto. Concordo plenamente com as ideias. Hoje falava com minha esposa sobre o engano desse temerário no poder. Sinceramente, disse a ela que torço para que o senado absolva a Dilma. Ela, ao menos, é fiel aos seus ideais e não apunhalou ninguém (se é honesta ou não só ela e Deus sabem, kkk).
Gostei muito do seu improviso para quando foi transcrever os xingamentos da mulher. Uma descrição hilária, que me arrancou belas risos nessa noite poluída de sexta-feira.
Abraço, fique na paz!
Imagem de perfil

De feldades a 06.08.2016 às 01:13

Fique na paz também, amigo!
Sem imagem de perfil

De Everton Souza a 06.08.2016 às 00:08

Ahhhh, lembrei-me de uma coisa: estamos em tempo Olímpico, o povo se esquece que o mundo real existe; bom pros malandros que na ausência de intelecto do povo o ferra mais ainda.. quem sabe depois das olimpíadas o povo não caia na real e veja o estrago que foi feito.
Imagem de perfil

De feldades a 06.08.2016 às 01:17

Incrível! Postei a crônica de manhã e fui trabalhar.
Na volta, um ex-aluno me parou e perguntou:
"Tá dando aula ainda, ou já se aposentou?"
Parece mentira, mas antes fosse. rsrsrs
Sem imagem de perfil

De Renato a 06.08.2016 às 04:01

As pessoas vão perceber o projeto antipopular e anti-pobre desse governo e dos seus sucessores da santa direita, da pior maneira possível: na própria pele. E quanto à honestidade da presidente afastada basta lembrar das suas palavras quanto à operação lava-jato: "que a investigação siga seu curso doa a quem doer".
Imagem de perfil

De aureliano a 06.08.2016 às 13:22

Os senadores e deputados não falam nada a respeito de seus próprios ordenados. Não comentam nada em relação aos altos salários dos ministros e secretários. Não propõem nenhum corte de gastos nas cortes da capital federal. E querem cortar o salário mínimo do pobre que precisa fazer ginástica para sobreviver.
Uma coisa é certa: não são os aposentados com salário mínimo que estão quebrando a Previdência.
Terminadas as Olimpíadas, os túmulos que guardam os restos mortais do Brasil serão abertos...
Sem imagem de perfil

De frei gabriel a 06.08.2016 às 15:17

Éh! Quando pensamos que o pior está passando, parece que ainda está por vir. Nosso Brasil velho vive uma crise gigantesca, mas de novo os mais fracos vão pagar o preço! E mudar as regras no meio do jogo, é para acabar com a esperança e a alegria de qualquer cidadão-atleta que peleia todo o dia, e não tem nenhum pódio olímpico. Além de ser uma baita injustiça! Quando acha que está chegando à reta final, avisam ao maratonista que o percurso aumentou alguns quilômetros!!! Onde encontrará o fôlego suficiente para o inesperado aumento? KYRIE ELEISON!!!

Comentar post





Comentários recentes

  • Anónimo

    Obrigado, Mano,por mais uma bela crônica sobre nos...

  • Anónimo

    Que triste pensar nas “ruínas” que já foram palco ...

  • Anónimo

    Que dizer?Esperar para crer?Crer que não adianta e...

  • Thais

    Que texto lindo!! Me emocionei com suas palavras. ...

  • Anónimo

    Só não conheci o Sr. José pessoalmente, mas sei ...