Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]





Comentários recentes

  • Anónimo

    Obrigado, Mano,por mais uma bela crônica sobre nos...

  • Anónimo

    Que triste pensar nas “ruínas” que já foram palco ...

  • Anónimo

    Que dizer?Esperar para crer?Crer que não adianta e...

  • Thais

    Que texto lindo!! Me emocionei com suas palavras. ...

  • Anónimo

    Só não conheci o Sr. José pessoalmente, mas sei ...






QUERMESSES DIONISíACAS

por feldades, em 05.09.14

 

"Quermesses com Cerveja", "Quermesses sem Cerveja", "Quermesses Etílicas" e... "Quermesses Dionisíacas"! Está publicado no semanário "A Tribuna de Amparo", edição de hoje, mais um capítulo da peleja deste datilógrafo contra  a venda de cerveja ou chope nas festas religiosas. Desculpe-me o impaciente leitor por eu lhe causar enfastio, mas não vou esmorecer diante de tanta teimosia.  

 

 

 

Tudo o que fizerdes a um desses pequeninos é a mim que o fazeis” – assim ensinava Jesus de Nazaré há dois milênios. Mas, quem são os pequeninos de Jesus? Para nós, cristãos ou não, os pequeninos são os desvalidos da sociedade: pobres, órfãos, viúvas, incapazes, alcoólatras etc.

 

Os cristãos católicos, no entanto, parecem não ter assimilado a mensagem do Mestre – e não é por falta de informação. Todos sabemos que o álcool é uma droga que, embora lícita, degrada o ser humano física e moralmente. Inúmeras pesquisas, publicadas pelos mais diversos organismos, corroboram esta tese. Estatísticas apontam absenteísmo, propensão ao câncer, desestruturação familiar, mortes violentas etc., tudo isso em razão do alcoolismo. Numa recente celebração, quando se rememorava o martírio de São João Batista, o celebrante enfatizou em sua homilia: “Herodes estava bêbado quando, seduzido por Herodíades, mandou decapitar João Batista”. Nessa lapidar reflexão, o pregador aponta um registro histórico do malefício do álcool. Mas, por que ainda se permite a venda de bebidas alcoólicas em quermesses? Não seria necessário que se estendesse à pratica o que se prega no púlpito?

 

A nossa diocese abriga várias pastorais, dentre elas, a Pastoral da Sobriedade. Esta se destaca no atendimento a dependentes e seus familiares, vítimas do alcoolismo. Ironicamente esta mesma Igreja, que maternalmente estende a mão a esses desvalidos, parece agir com indiferença, quando permite o comércio de bebidas alcoólicas em suas festas. E sob o “guarda-chuva moral” da Igreja, muitos jovens se sentem mais à vontade em suas iniciais incursões etílicas.

 

Quando se celebra a Festa da Padroeira, a Igreja Particular de Amparo não deveria descuidar da importância de Maria na vida desses “pequeninos de Jesus”. Com certeza ela não aceitaria que Dioniso – o mitológico deus grego – fosse homenageado em sua festa.

 

FILIPE

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:


2 comentários

Sem imagem de perfil

De Aureliano a 07.09.2014 às 01:25

Participando de um encontro em que três jovens da Fazenda da Esperança faziam depoimentos, todos proclamaram que a primeira droga que usaram foi o álcool. Penso ser raro encontrar dependente químico que não tenha começado pela bebida alcoólica. Isso dá o que pensar.
Sem imagem de perfil

De Carlos Lopes a 02.10.2014 às 22:21

Concordo. O que foi escrito é o certo, não tem como abrir parenteses , aspas e fazer observações.

Comentar post





Comentários recentes

  • Anónimo

    Obrigado, Mano,por mais uma bela crônica sobre nos...

  • Anónimo

    Que triste pensar nas “ruínas” que já foram palco ...

  • Anónimo

    Que dizer?Esperar para crer?Crer que não adianta e...

  • Thais

    Que texto lindo!! Me emocionei com suas palavras. ...

  • Anónimo

    Só não conheci o Sr. José pessoalmente, mas sei ...