Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]





Comentários recentes

  • Felipe Moura Lima

    Obrigado pela leitura e... pela coragem!

  • Anónimo

    Ah é o Bruno aqui.

  • Anónimo

    É interessante te ver narrar coisas em que eu esta...

  • Anónimo

    Parabéns pela neta e por esse texto emocionante, V...

  • Anónimo

    Que abençoada é a nossa netinha. Muito amor para M...






RODRIGO

por feldades, em 25.04.20

Conheci o Rodrigo no começo dos anos dois mil, acho que em 2002, se não estou enganado. Naquele ano ele foi meu aluno numa quinta série – ou numa sexta série, se não estou novamente enganado. A classe dele era barulhenta, como eram barulhentas as outras classes, como são barulhentas as pessoas. O mundo é barulhento. Mas havia alguns alunos bonzinhos, silenciosos, que amenizavam minha aflição. E o Rodrigo era um desses.

 

O Rodrigo tinha uma penca de irmãozinhos. Depois da aula, ele passava na creche, pegava seus maninhos e os levava para casa. Por mais de uma vez eu o vi com dois, três ou quatro deles, numa bonita cena. Bem de tardinha, lá estava o Rodrigo segurando a mão do menor, mochilas nas costas, subindo devagarinho a sua rua.

 

Eu nunca consegui usar agenda, mas naquele ano em que comecei a dar aulas para o Rodrigo, eu usava uma que trazia umas orientações passadas pelo sindicato dos professores. Na capa da agenda havia uma foto de um garoto de rua.  Era um menininho raquítico, trajando uma blusa larga de moletom, usava calção grande, descalço – literalmente o retrato da infância abandonada. Mas o Rodrigo não parecia com o menino da foto. Talvez se assemelhasse pela tez e o corpo esguio. Então, eu costumava mostrar a agenda ao Rodrigo e perguntava: “De quem é esta foto?” Ele olhava sorrindo e dizia: “Para, professor!” Eu parava, mas voltava a mostrar a foto noutra ocasião e ele sempre reagia dessa mesma forma bem-humorada.

 

Por um tempo eu não fui professor do Rodrigo, mas no último ano do ensino médio eu o reencontrei na sala de aula. Estava grande, forte, em nada lembrando o antigo e mirrado Diguinho, como era conhecido. No final daquele ano, quando se formaria, o Rodrigo chegou para mim e disse: “Professor, sabe aquele livrinho?...” “Que livrinho?!”  “Aquele que o senhor me mostrava, com uma foto na capa”. “Ah, uma agenda...” “Isso mesmo. O senhor ainda tem ela?” “Sim, eu tenho”.  “Você não quer me dar ela?...” “Claro que dou”. Dei a agenda para ele no dia seguinte. Todo alegre, ele me disse: “Esta eu vou guardar de lembrança”.

 

Tempos depois encontrei o Rodrigo na rua. Estava com a esposa e uma criança, que assumira como filho. Depois veio a paternidade biológica também e sua alegria se completou. Antes, trabalhava num mercado próximo de onde moro, depois mudou de emprego, parece que para melhor. Daí, não mais o vi. Tinha contato apenas com os irmãos, que foram todos meus alunos.

 

Esta semana, tive outra notícia deste meu ex-aluno. Rodrigo faleceu aos 29 anos. Não sei a causa, mas ouvi dizer que foi “morte natural”. Meu Deus, não pode haver morte natural na juventude!

 

FILIPE

Autoria e outros dados (tags, etc)


5 comentários

Sem imagem de perfil

De Anónimo a 25.04.2020 às 04:14

Felipe, bela descrição do Rodrigo. Um menino doce, educado, dedicado à família. Também ainda não acredito que ele se foi, e apenas um mês após o seu pai. Ainda não caiu a ficha.😢😢😢
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 25.04.2020 às 11:14

Triste mesmo
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 26.04.2020 às 20:18

Que triste fim
Imagem de perfil

De Triptofano! a 11.05.2020 às 01:24

Se a morte é algo natural, não é natural morrermos antes de termos a oportunidade de concretizarmos os nossos sonhos...

Comentar post





Comentários recentes

  • Felipe Moura Lima

    Obrigado pela leitura e... pela coragem!

  • Anónimo

    Ah é o Bruno aqui.

  • Anónimo

    É interessante te ver narrar coisas em que eu esta...

  • Anónimo

    Parabéns pela neta e por esse texto emocionante, V...

  • Anónimo

    Que abençoada é a nossa netinha. Muito amor para M...