Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]





Comentários recentes






SEXAGENÁRIO

por feldades, em 23.12.21

MARIA DA FÉ.jpeg

Hoje completo sessenta anos e de mim já se pode dizer em linguagem bíblica: “aquele senhor de muitos dias”.

 

Se aos trinta anos alcança-se a ‘idade da razão’, aos sessenta, com ou sem razão, chega-se à ‘idade da libertação’. Livre, agora, da obrigação de ser polido com a aspereza e sensato com a malvadez, quero sorver com sofreguidão esses poucos dias que ainda me restam.

 

Se a vida para o jovem requer coragem, para nós, os provectos, ela exige destemor e suavidade. Nesta crônica, tentarei a suavidade.

 

É manhã e estou na varanda de uma simpática pousada na Serra da Mantiqueira e meus olhos alcançam as montanhas verdes e molhadas, todas cobertas de névoa. Não muito distante daqui, está a igreja matriz de Maria da Fé cujo pináculo perfura uma parte do nevoeiro. No posto, um pequeno trator estaciona para abastecer. Sobre ele há seis caboclos de chapéu  e mochila, prontos para o trabalho rural – roçar, plantar, talvez colher.

 

Sento-me com o notebook, deixo a cuia de chimarrão na soleira da balaustrada e ponho a garrafa de água quente no chão (vai que cai...). De vez em quando, deixo o teclado e pego a cuia para um trago de mate.

 

O trator tomou rumo com seus caboclos para roçar ou plantar ou colher. Agora encosta uma caminhonete e dela desce o  motorista, que parece mal-humorado. Olha para os lados, não achando os frentistas, ele mesmo calibra os pneus.

  

Lá na frente, um homem atravessa a rua com dois cães: um preto e outro encardido, que talvez fosse branco algum dia. Por aqui, bicicletas e motos passam frenéticas. Um ônibus da Venetur desacelera, dando passagem a um assustado cãozinho amarelo.

 

No posto, o frentista reaparece e atende a um senhor de chapéu e botinas, trazendo consigo um pequeno galão. Este certamente não tem carro, mas tem uma roçadeira e vai abastecê-la.

  

O céu ainda está nublado com muitos tons de cinza-chumbo. À noite choveu e durante esta manhã deverá permanecer “embruscado” (essa é uma expressão de minha mãe).

 

No outro lado da rua passa veloz um cãozinho preto, que teria sido enxotado por alguém.  E a padaria do Tiaguinho, que fica a poucos metros daqui, acaba de tirar uma fornada de pão francês. O cheiro é convidativo para o desjejum.

 

Desde bem cedo, antes de raiar o dia, ouço os canários-da-terra, que aqui são abundantes. Mas a sinfonia agora é de pardais, ainda mais numerosos.

 

Subi a Mantiqueira à procura de um frio que não encontrei. Todavia, com os nossos verões cada vez mais quentes, a temperatura aqui está amena.

  

Volto à rua e vejo um homem com um porrete passeando com seu cão. O cão para e começa a beber de uma poça. O homem puxa, o cão resiste; o homem insiste e o cão não desiste. Por fim o cão se rende ao homem ou ao seu porrete.

 

Lá na frente vem vindo alguém com uma carriola, que deve estar vendendo mandioca, mas não vou saber, porque ele virou numa esquina. Na pracinha há uma feira e aquele homem foi lá para comprar ou vender.

 

A padaria do Tiaguinho acaba de desenfornar alguma coisa diferente de pão francês, que eu não sei o quê. Enquanto isso, um caminhão passa gemendo sob o peso de centenas de toras de eucalipto. Logo atrás dele, sem gemer, segue o caminhão de lixo e seus  socialmente invisíveis operadores.

 

No horizonte, o nevoeiro que cobria os montes com suas matas e pastagens se desfez, mas o céu continua nublê (na expressão de minha ‘patroa’), agora num tom aclarado. Na rua, ao trote de um cavalinho castanho-escuro, bamboleiam carroça e carroceiro. E da igreja matriz vem um anúncio fúnebre: “Comunicamos o falecimento de (...)”.

 

Deixo a rua e suas muitas surpresas e desço para o café da manhã, que nem é café, mas chocolate quente com o pão do Tiaguinho.

 

É, a vida aos sessenta requer suavidade e apaziguamento. A pressa é para os jovens.

 

FILIPE

Autoria e outros dados (tags, etc)


3 comentários

Sem imagem de perfil

De Frei Gabriel a 25.12.2021 às 13:44

Que alegria, meu querido mano, ler essa crônica sua quando você chega a altura da idade do sexagenários! Que maravilha! Deus lhe deu a graça de chegar a essa altura e perceber a vida com um novo olhar, olhar da suavidade, como você mesmo diz, sem pressa, podendo haurir a beleza da vida, que atmosfera ao redor de você oferece! É assim, é a maturidade, quando a gente vai superando aquela expressão afoita, e às vezes, temerária da vida deixando para trás o ardor juvenil, que é bom a seu tempo, para entregar-se à vida e aceita-la também nas suas condições. A Vida é Bela mas deve-se saber vivê-la e você tem aprendido isso dia após dia, ano após ano. Você mostra uma maturidade que encanta! Obrigado meu irmão por você existir! Obrigado a Deus por você chegar ao topo dos 60 anos! Que o Senhor da existência lhe dê a graça de manter-se lúcido, com saúde e com a busca do divino que para você é sempre também a busca do humano, sobretudo do mais frágil.
Um abraço carinhoso! Deus o abençoe sempre!
Do seu mano que muito o admira e lhe quer muito bem!
FREIZINHO
Imagem de perfil

De feldades a 25.12.2021 às 22:53

Quanto carinho para com este velhinho, Frei!... Obrigado, mas acho que ainda não cheguei no topo. Se cheguei, então preciso descer. E agora?...
Sem imagem de perfil

De Frei Gabriel a 26.12.2021 às 02:21

Topo dos 60 anos, não dá vida!
A vida é dinâmica ... quando achamos que chegamos, um morro novo aparece à frente!
E de morro em morro, surge enfim a verdadeira Pátria!

Comentar post





Comentários recentes