Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]





Comentários recentes

  • feldades

    É, mano... Nossos pais abriram o caminho e só nos ...

  • feldades

    É a Cynthia? Sendo ou não sendo, obrigado pelo ca...

  • feldades

    Gostaria muito de ler textos de sua lavra sobre os...

  • feldades

    Miguel, seu elogio é para mim um rico prêmio liter...

  • Frei Gabriel

    Sim, Mamãe viveu seus últimos anos com uma doçura ...






SOCORRO!

por feldades, em 29.01.23

20230128_201012.jpg

É manhã de sábado. Lá fora há um sol de verão num céu seminu, quase sem nuvens; no rádio, um programa especial com Nora Ney, que neste momento canta ‘Ronda’ – canção de Paulo Vanzolini, composta em 1953; ao meu lado e embaixo da mesa, a Pituka, que dorme, sonha e ronca; no computador, este cata-milho tenta escrever algo para atualizar o blog.

 

Paro de dedilhar e pego o chimarrão. A cada gole de mate, um pensamento vem e se perde. O texto não tem rumo. A Pituka desistiu de mim e se foi para o portão. Seu passatempo é xingar a vizinhança, particularmente um “molequinho” que mora ao lado e de vez em quando a provoca. O sonho da Pituka é travar refrega com todos os canídeos que passam na rua, e eles são muitos!

 

Neste momento, um estridente bem-te-vi anuncia algo muito importante para sua família. Não o vejo, mas ouço sua cantoria. Outros pássaros estão em festa: joões-de-barro, tico-ticos, anuns... Por aqui há uma diversidade desses e muito mais. Ontem à tarde, até um carcará deu sinal de vida.

 

Agora a Nora Ney já se despede do rádio e paro de digitar para preparar um café para minha companheira. Mais tarde volto aqui, esperando que o texto saia de forma mais ou menos palatável.

 

........................................

 

Voltei. Agora é noite com céu nublado e uns chuviscos, e não há os bem-te-vis, sanhaços e canários-da-terra que alegravam minha manhã. A noite seria silenciosa, se não fosse uma solitária ave noturna gorjeando na escuridão. Ouço também o rufar dos sapos numa lagoa distante e o chilrear de grilos no quintal. Ao meu lado, a dorminhoca Pituka continua sonhando seus sonhos de menina mimada e protegida, que merecidamente é.

 

Durante boa parte do dia, queimei os miolos tentando habilitar um novo celular, mas acabei desistindo. Sempre uso o sistema operacional ‘Android”, mas o aparelho novo opera em “iOS”. Não entendo nada desse treco e, depois de tanto sofrer, resolvi dar um tempo. O pior é que fiz uma transferência a meia-boca dos dados de um aparelho para outro e fiquei sem WhatsApp.

 

Amanhã, com sorte, vou conseguir; sem sorte, recorro a uma sobrinha, a uma amiga... ou à Maria Eugênia, que com seus incompletos três anos de vida já tem mais domínio de tecnologia digital do que este escriba.

 

Caso ninguém consiga me ajudar, recorro à Pituka.

 

Socorro, Pituka!

 

FILPE

 

Autoria e outros dados (tags, etc)


5 comentários

Imagem de perfil

De Sandra a 29.01.2023 às 00:37

Hoje em dia, as crianças já sabem mais de tecnologia que os adultos. Boa sorte aí.
Imagem de perfil

De feldades a 30.01.2023 às 13:06

Uma sobrinha resolveu o problema e minha alegria voltou.
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 30.01.2023 às 12:12

Perdi todas as fotos do meu celular, desde 2019. Paciência!
Abraço, Felipe!
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 30.01.2023 às 12:13

Sou eu, Renato.
Imagem de perfil

De feldades a 30.01.2023 às 13:08

Renato, essas fotos devem estar abrigadas em "nuvem". Acho que você as reencontrará. Boa sorte.

Comentar post





Comentários recentes

  • feldades

    É, mano... Nossos pais abriram o caminho e só nos ...

  • feldades

    É a Cynthia? Sendo ou não sendo, obrigado pelo ca...

  • feldades

    Gostaria muito de ler textos de sua lavra sobre os...

  • feldades

    Miguel, seu elogio é para mim um rico prêmio liter...

  • Frei Gabriel

    Sim, Mamãe viveu seus últimos anos com uma doçura ...