Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]





Comentários recentes

  • Sandra

    Grata por esta linda e justa homenagem. Boa semana

  • Anónimo

    Quanta surpresa para quem chegar no céu!0

  • Anónimo

    Viva o rock, viva a Rita e viva o rock da Rita.👏👏👏

  • Anónimo

    Que coincidência! Eu estava me lembrando dela, qua...

  • feldades

    Amo carrilhões. Temos vários. Tenho, também, fetic...






TRISTE CENA, TRISTE SINA

por feldades, em 25.05.18

A policial saca a arma e mata um bandido em frente à escola de sua filha. O momento era tenso, perigoso, havia muitas vidas em risco e parece que a agente cumpriu sua obrigação. No dia seguinte, o governador-candidato já estava faturando. Homenageou a policial com discurso e buquê de flores, e sentenciou garboso: “Quem ofender um policial corre risco de vida, pois a farda é a extensão da bandeira do estado!”

 

O discurso do governador está bem ajustado ao presente, quando uma onda ufanista se avoluma, mas se encaixa no pretérito também. Descobriu-se recentemente que os governos militares autorizaram a execução de “inimigos políticos”, contrariando, pasmem, a orientação dos Estados Unidos. Na época houve, inclusive, um incidente diplomático entre os dois países devido à rebeldia do governo brasileiro, descumprindo o recomendado.

 

Mas será que aquela policial agiu prudentemente? Soube-se depois, como era de se esperar, que o bandido não estava só. Ao menos um de seus comparsas já foi identificado. E se a policial errasse ou não conseguisse imobilizar imediatamente o assaltante, o que poderia ter acontecido? Sabe-se que bandidos não costumam agir com “muita responsabilidade” e um tiroteio resultaria em tragédia.

 

Na semana seguinte àquele triste episódio, a Folha de S. Paulo publicou resultado de uma pesquisa, afirmando que nos últimos anos apenas ‘oito por cento’ dos policiais saíram ilesos após reagirem a um ataque. A Folha explica que casos “bem-sucedidos” como o da policial acima não entram nessa estatística, porque ela não era alvo do bandido. ‘Oito por cento’, em boa aritmética, significam ‘dois em 25’. Em outras palavras, para cada 25 confrontos, 23 policiais ou morreram ou ficaram feridos. Conclusão: se a polícia, que é treinada para o enfrentamento, não se sai bem quando surpreendida pelo bandido, o que será do cidadão comum?  Esses números deveriam pôr fim à estultícia dos que querem armar o “cidadão de bem”.

 

Mas os tempos são outros e são bicudos. Pesquisas apontam uma crescente mortandade de jovens nas operações militares, mas ignorada pelo noticiário. A grande mídia destaca a “glamorosa” detenção de velhinhos muito em moda ultimamente. Políticos e empresários, alguns já anciãos, estão indo para o xadrez.

 

De minha parte, ser “do bem” causa-me engulhos, porque essa expressão foi sequestrada pela “gente do mal”. Eu queria ser “da paz”, mas a ‘paz’ também parece estar maculada. Não sendo do bem nem da paz, quero justiça e paz. Que o ‘bem’ prevaleça sobre o ‘mal’. Que os velhinhos corruptos sejam todos punidos, não com a prisão, mas com a expropriação. Soltos, porém pobres, sem o butim. Que criminosos contra a vida sejam todos presos e recuperados. Que se inspirem em Minas Gerais, que tem a APAC com suas prisões humanizadas, onde presos têm dignidade, recuperam-se, e sem que o sistema lhes seja condescendente.  

 

É, naquele Dia das Mães, pensei na minha mãe e em muitas outras mães, algumas já ausentes. Pensei na policial de posto modesto, também mãe e agora vulnerável após ter sua identidade devassada. Pensei também naquela mãe anônima, que teve como presente no seu dia o corpo do filho de 21 anos para sepultar.

 

FILIPE                                                                                 

Autoria e outros dados (tags, etc)


1 comentário

Sem imagem de perfil

De Aureliano a 28.05.2018 às 11:39

Gostei muito de sua reflexão, Filipe. Sobretudo a respeito dessa ideia tão maléfica e perversa de que botando uma arma na mão do cidadão ele ficará protegido da violência. E o povão termina por se convencer de que é assim mesmo. Como você mostrou bem, as estatísticas mostram o contrário.

Estou convencido de que, mais do que "fazer o bem", é preciso "ser bom". Há um provérbio latino que diz: "Agere sequitur esse". Literalmente se traduz: "O agir segue o ser". Numa tradução mais livre podemos dizer que as atitudes do ser humano revelam seu coração, suas intenções mais profundas. É por isso que se deve cuidar do SER, aquela realidade que nos constitui mais profundamente. Ser Amor, ser Bondade, ser Misericórdia é constitutivo do SER de Deus. Como imagem e semelhança de Deus, penso que precisamos cuidar dessa realidade que nos constitui também. Mais do que atos bons, nosso mundo precisa de pessoas boas.

Comentar post





Comentários recentes

  • Sandra

    Grata por esta linda e justa homenagem. Boa semana

  • Anónimo

    Quanta surpresa para quem chegar no céu!0

  • Anónimo

    Viva o rock, viva a Rita e viva o rock da Rita.👏👏👏

  • Anónimo

    Que coincidência! Eu estava me lembrando dela, qua...

  • feldades

    Amo carrilhões. Temos vários. Tenho, também, fetic...