Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]





Comentários recentes

  • Anónimo

    Santo Deus!E você teve que voltar para a sala de a...

  • feldades

    Sugestão prontamente aceita, Andréa. Agradeço a so...

  • Andréa Piffer

    Belo texto, muito bem escrito e de agradável leitu...

  • Anónimo

    Paz e bem, querido Mano!Agora consegui ler seu tex...

  • Anónimo

    Poxa! Nunca imaginei que nosso Mano tão da paz, já...



subscrever feeds




UM MESTRE RIGOROSO

por feldades, em 31.07.21

WhatsApp Image 2021-07-30 at 19.25.53.jpeg

Meu pai já foi professor, mas isso há quase setenta anos. Dentre seus muitos alunos, havia uma menina, que mais tarde veio a se casar com ele. Essa mocinha, hoje minha octogenária mãezinha, deve ter se encantado com o mestre pela sua cultura, honestidade, talvez beleza ou outros bons atributos, mas não pela paciência, que nunca foi o forte de meu pai. É meu pai mesmo quem diz isso, mas em outras palavras. O rigor para com os alunos costumava ser convertido em varadas. Certa vez, após um breve recreio dado aos alunos, muitos tardaram a retornar à sala de aula. Então, uma vara de “vassourão-branco” (eu conheço essa planta) deu o recado. E, não muito tempo depois, uma das premiadas com as lambadas tornaria sua esposa. Hoje, papai e mamãe festejam as Bodas de Ébano (são 66 anos de casados).

 

Ao se casar, meu pai parou de lecionar, mas acompanhava as lições dos filhos. De vez em quando, ele chamava um por um e vistoriava os cadernos. A minha irmã mais velha recebia sempre merecidos elogios; meu irmão mais velho, não muito. Enquanto ele checava as lições de alguém, eu ia acertando as lições em atraso, mas não dava tempo e ele não deixava barato.

 

Muitas vezes, antes de eu entrar na escola, via meu pai ensinando o irmão mais velho a fazer contas. Papai ensinava e depois cobrava. “Bom, eu fiz essa para você, e agora você vai fazer esta para mim. Vamos lá!” Meu irmão, todo encolhidinho, tentava, tentava e nada! Papai ficava nervoso, fazia um “zuerão” danado, mas acabava deixando o menino em paz. Eu ficava de longe, observando o irmão com aquele lápis de ponta rombuda e a outra parte mastigada.

 

Antes de completar dez anos, terminei o curso primário, mas sem saber fazer “conta de dividir”. Certo dia, peguei um caderno e pedi ao meu pai para me ensinar as tais “contas de dividir”. “Pois não, meu filho. Vamos lá.” Na sala da nossa casa havia uma mesa com duas cadeiras, que seriam quatro, mas o tempo deu cabo de duas e as que restavam já não gozavam de boa saúde. Papai sentou numa cadeira e me apresentou a outra. Pegou o lápis e foi calmo. “Aqui você tem tanto, que dividido por isso vai dar aquilo; depois esse tanto para aquele outro tanto vai dar isso; depois você faz isso aqui mais aquilo ali, que vai dar aquele número lá. Entendeu?” Sem entender bulhufas, murmurei: “Ah, pai, acho que entendi...”. “Bom, só se aprende, fazendo. Agora é você quem vai fazer.” Quando fui tentar fazer a conta, veio à minha mente a imagem do meu irmão com o lápis de ponta rombuda e a outra parte mastigada. Eu pensava no meu irmão e tremia e a conta não saía. Meu pai já se impacientava e aí é que eu não conseguia, mesmo. Meu pai intervinha repetidas vezes: “Esse número dividido por aquele... Quanto dá?” Eu apenas dizia: “Bom... Deixa eu ver...” Meu pai desistiu e eu também.

 

Queria muito que meu pai desse umas aulas para uma figura notória da República. O dito-cujo afirmou recentemente, sem ficar vermelho, que ‘menos quatro mais cinco dá nove’. Mas meu pai teria que usar a “vara de vassourão-branco” também.

 

FILIPE

 

Autoria e outros dados (tags, etc)


1 comentário

Imagem de perfil

De feldades a 01.08.2021 às 01:07

Ao ler seu blog pude constatar que eu era até agressivo. Agora vou explicar o porquê de minha agressividade. Assim que fui nomeado professor, papai me disse: veja que você vai cuidar da escola, mas em toda sua folga você vai ter que ajudar no meu serviço. Como sempre fui obediente aos pais, dava tudo de mim para ajudá-los, visto que era apenas eu de filho homem. Ainda tive sorte de poder lecionar com a licença do papai. Trabalhava até a hora de ir para a escola. Findo o tempo escolar, voltava depressa para casa para cuidar do serviço do papai. E como ajudei o meu pai!
Devido a tanto serviço, pensei: vou casar para ter mais liberdade. Mas me enganei. A vida de casado me preocupou, pois tinha de lutar pra trazer pão para a minha prole: “o pão nosso de cada dia”. Mas nunca me arrependi de ter casado com a Juracy. Até admirava sua simplicidade. Logo que me casei, fui morar num cubículo que só tinha a sala e um pequeno quarto. Para dar mais espaço, puxei uma varanda que servia de cozinha. E assim sempre foi e ela nunca reclamou. Aconteceu que o Antônio Ribeiro, ao vender o terreno para o papai, deixou a casa em que morava vazia. Essa casa ficava ao lado do meu cubículo, mas o papai nunca me dizia para eu mudar para ela. Um dia a Juracy me disse: pede a seu pai para nós irmos para a casa do Antônio Ribeiro... Calcei a cara e pedi, e ele disse que sim.

FOI SEMPRE COM MUITAS LUTAS PARA DAR A DEUS ESSA PROLE ABENÇOADA.

José Lopes de Lima

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.





Comentários recentes

  • Anónimo

    Santo Deus!E você teve que voltar para a sala de a...

  • feldades

    Sugestão prontamente aceita, Andréa. Agradeço a so...

  • Andréa Piffer

    Belo texto, muito bem escrito e de agradável leitu...

  • Anónimo

    Paz e bem, querido Mano!Agora consegui ler seu tex...

  • Anónimo

    Poxa! Nunca imaginei que nosso Mano tão da paz, já...



subscrever feeds