Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]





Comentários recentes

  • Anónimo

    Santo Deus!E você teve que voltar para a sala de a...

  • feldades

    Sugestão prontamente aceita, Andréa. Agradeço a so...

  • Andréa Piffer

    Belo texto, muito bem escrito e de agradável leitu...

  • Anónimo

    Paz e bem, querido Mano!Agora consegui ler seu tex...

  • Anónimo

    Poxa! Nunca imaginei que nosso Mano tão da paz, já...






UM SACRAMENTINO

por feldades, em 25.12.15

Ele chegou leve, suave, como uma brisa. E com essa mesma leveza, permaneceu conosco por algumas horas. Veio para ouvir. Poucas são as pessoas com essa disposição e este irmão parece ter nascido para isto: dar atenção, escutar. Com certeza ele tem suas aflições, mas as retém consigo, sem que alguém lhe ofereça ao menos uma orelha para que fale.

 

Encontrei-me com ele de manhã, amável como sempre. Levei-o à minha escola e depois o conduzi até a casa. E me pareceu que sua única curiosidade seria a de conhecer o ranchinho, onde costumo me esconder para rabiscar minhas inquietações – como “Minhas Manhãs”, recentemente postada neste blog. Mas pareceu-me decepcionado com a aceroleira. Talvez a imaginasse grande e frondosa, mas o que se viu não passa de um arbusto. O suficiente, no entanto, para compor um retalho de natureza em estado bruto, com tronco, musgos, folhagens e asas. É essa paisagem que desanuvia as retinas e embala os delírios deste cronista insípido. Conheceu também a matilha da casa:  a curiosa Pituka, o rabugento Tokinho e o desconfiado Tiziu. Ainda que não demonstrasse intimidade, não denotou repulsa aos cães. Já está bom.

 

Minimalista na mesa, seu prato daria para alimentar, com sobra, um recém-nascido. Com tão pouco rango, pensei: talvez as orações lhe completem a refeição. “Meu bucho é pequeno. Como pouco, mas gosto de comer sempre”, diz para pôr fim a eventuais insistências dos anfitriões. Com isso, explica que gosta de “beliscar”. Talvez, nesse aspecto, seja o único que tenha puxado a mãe. Mamãe come pouquinho durante as refeições, mas, na surdina, sempre dá suas “beliscadas”. Contudo ainda não pude flagrá-lo em furtivas mastigadas. Ao sair, quis fazer-lhe um lanche para a viagem, e ele me orientou: “Pega um pãozinho de sal (pão francês), abre e bota uns ‘trenzinhos’ dentro, que ele fica que nem um embornalzinho, fechadinho”.

 

Da irmandade, é o mais sábio e também o mais econômico na prosa. Caso esteja numa rodinha em que se discuta algo, permanece atento e em silêncio. Não se lhe despertando interesse, retira-se à francesa. Instado a dar opinião, diz poucas e acertadas palavras.

 

Culto, grande conhecedor de teologia, não se mete a responder perguntas sobre algo que julga não dominar. “Ih, menino, sei falar sobre esse ‘trem’ não. Isso é assunto pra quem estudou.” Nas reuniões da Congregação, da qual é superior-geral, se instado a dar palpite, costuma dizer aos conselheiros: “Vamos debater a questão para decidir. Estou aqui para ouvir quem entende e aprender, porque sou apenas um ‘cura de aldeia’. Até pouco tempo, eu era capinadô de roça lá em Guiricema!”

 

Diferentemente de mim, não acumula nada. O que não está usando, passa para outros; se não vai ler o jornal velho, descarta; a roupa tá apertada, manda pra frente – outro usa. Dessa forma, seu guarda-roupa é enxuto, sua estante está sempre arrumadinha, a gaveta organizada. Nada semelhante a esta mesa sobre a qual me apoio – repleta de livros, jornais, sacolas com coisas..., uma bagunça! Aprendi que nossa cabeça tem a forma da mesa, do guarda-roupa ou da pia. Se está organizada, a mente também; se está bagunçada, melhor buscar tratamento. (...?!)

 

O Sacramentino, mais do que líder, é um “oráculo” da Congregação e também da família. Percorre milhares de milhas para debelar perrengues entre confrades ou rusgas entre membros de seu clã. Em breve, singrará o Atlântico e aportará na África. Assim, este incansável missionário segue firme no seu pastoreio. Peregrinando por terras e mares, leva a estes e a ultramarinos povos um pouco de alegria e de paz.

 

FILIPE

Autoria e outros dados (tags, etc)


3 comentários

Sem imagem de perfil

De Everton Souza a 03.01.2016 às 11:32

Caro Felipe, este seu irmão é um exemplo na arte da imitação de Cristo. Que ele persevere assim! O mundo preciso muito, mas muito mesmo, de sacerdotes honestos, que vivam com intensidade e veracidade aquilo que juraram diante para Deus. Oxalá tivéssemos mais pastores assim, que falam pouco com a boca, mas que dizem muito com as atitudes e gestos. Queria eu ter o prazer de um dia conhecê-lo.
Sem imagem de perfil

De frei Gabriel de Moura Lima a 09.01.2016 às 00:39

Mais uma pérola do Filipe!
Está aí, descrito de maneira bela, mas não menos real, nosso amado Pe. Aureliano, o Sacramentino. Nada para acrescentar, muito menos tirar.
O Olerinano, ou Orelo, - que nominho disgramado de difícil de nosso povo matuto pronunciar, mas que Papai resolveu colocar para homenagear mais um Santo da Folhinha - (que da minha parte fui muito afortunado pelo nome que estava lá no dia 27 de fevereiro), é essa figura, melhor, é essa pessoa maravilhosa que, eu mais do que todos os outros irmãos, tive a graça de conviver mais e de conhecer mais de perto.
De qualquer forma, posso acrescentar alguma coisa, não para melhorar o requintado texto de Filipe, mas para expressar ainda mais gratidão a Deus pelo mano que nos deu.
Esse mano leva a muito sério o senso de justiça: evita julgar, afirmar o que não sabe, sempre primou por “dar a cada um o que lhe pertence”.
Trabalhador: nosso Sacramentino parece que não sabe o que é preguiça! Não tem tempo ruim; sempre disposto, tanto para as tarefas de seu ministério religioso, como para outras tarefas manuais que aparecem.
Simples: não tem exigências, contenta-se com pouco; mas é uma simplicidade elegante! Sempre bem apresentado, embora vestido de simplicidade!
Orante: Não tem o que lhe tira de seus compromissos de oração; se a gente promete de ir rezar junto, e começa a enrolar, ele sutilmente desaparece e lá vai o nosso Sacramentino viver sua intimidade com o nosso amado Criador.
Preocupado com todos: sua atitude de atenção acima descrita pelo nosso blogueiro está sempre relacionada à vontade de ajudar, pelo menos, se não pode mais, consolar com a escuta atenta e compassiva.
Conselheiro: por ser perito na arte de escutar, é muito mais assertivo quanto se pronuncia, está sempre mais perto da verdade, mas sempre dita com amor e vontade de ajudar. Assim recebe o respeito e a consideração de todos. Neste ponto, o mano se torna uma constante lição para mim, que nem sempre sigo o provérbio da nossa mãe, D. Juraci: em boca fechada não entra mosquito!
Filipe, obrigado por trazer para nós esses detalhes de nosso mano, Missionário da paz e da harmonia, e Sacramentino, em adoração e vivência eucarística!
Sem imagem de perfil

De Everton Souza a 14.01.2016 às 18:50

Enriqueceu ao texto anterior!

Comentar post





Comentários recentes

  • Anónimo

    Santo Deus!E você teve que voltar para a sala de a...

  • feldades

    Sugestão prontamente aceita, Andréa. Agradeço a so...

  • Andréa Piffer

    Belo texto, muito bem escrito e de agradável leitu...

  • Anónimo

    Paz e bem, querido Mano!Agora consegui ler seu tex...

  • Anónimo

    Poxa! Nunca imaginei que nosso Mano tão da paz, já...